Enchentes no Rio Grande do Sul afetam 90% das empresas do estado

Entenda o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul nas empresas! Haverá desabastecimento? Quais são os direitos dos trabalhadores? Veja mais neste artigo!
Sumário
enchentes no rio grande do sul

As enchentes no Rio Grande do Sul estão deixando um rastro de destruição para o setor empresarial, afetando quase a totalidade das empresas da região.

Com diversos espaços de produção alagados e outros enfrentando os desafios decorrentes das chuvas torrenciais, a situação é alarmante. Para piorar, a decretação de calamidade pública em 441 dos 497 municípios gaúchos adiciona uma camada extra de complexidade à crise.

Segundo a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), 91% das fábricas do estado estão submersas sob as águas das enchentes.

Esse cenário sombrio levanta preocupações sobre os impactos econômicos a longo prazo, com previsões de uma possível “década perdida” para a economia gaúcha.

Neste contexto desafiador, é crucial também discutir os direitos dos trabalhadores, que enfrentam incertezas quanto à segurança de seus empregos, condições de trabalho e garantias salariais.

Ao mesmo tempo, é imprescindível considerar a situação dos gestores e empreendedores que perderam negócios inteiros durante a catástrofe climática.

Com isso em mente, confira abaixo tudo que você precisa saber sobre o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul nas empresas do estado, como esses impactos podem afetar a cadeia de produção nacional, o que o Governo tem feito para ajudar, e quais são os direitos dos funcionários dessas empresas.

Enchentes no Rio Grande do Sul: Desastre sem precedentes

A situação de emergência desencadeada pelas enchentes no Rio Grande do Sul entra em seu 15º dia, com previsões sombrias indicando que mais chuvas estão a caminho, potencializando a tragédia que assola o estado.

O cenário é alarmante: já contabilizamos a perda de 147 vidas, enquanto outras 127 pessoas permanecem desaparecidas, e meio milhão de indivíduos foram forçados a abandonar seus lares.

O impacto das inundações se estende por uma vasta área, afetando uma população estimada em 2,1 milhões de pessoas, distribuídas em 447 dos 497 municípios gaúchos.

Os números são estarrecedores, ultrapassando até mesmo as populações de algumas capitais brasileiras, conforme dados do Censo 2022 divulgados pelo IBGE.

À medida que as águas continuam a subir, os rios Caí e Taquari estão prestes a atingir níveis críticos de inundação, com consequências diretas para as regiões vizinhas, incluindo Jacuí e Guaíba.

Diante dessa ameaça iminente, prefeitos e equipes de Defesa Civil apelam aos residentes das áreas de risco que evitem retornar para suas casas, enquanto ginásios, escolas e igrejas são mobilizados para servir como abrigos temporários.

Neste contexto de crise humanitária em crescimento, é fundamental uma resposta coordenada e ágil por parte das autoridades e da sociedade civil para enfrentar os desafios imediatos e mitigar os impactos a longo prazo dessas enchentes devastadoras.

9 em cada 10 empresas gaúchas são afetadas pelas enchentes

O desastre das enchentes no Rio Grande do Sul reverbera de forma avassaladora no cenário empresarial, afetando praticamente todas as empresas da região. O temor de uma crise econômica eminente paira sobre o estado, enquanto inúmeras empresas enfrentam a ameaça iminente de colapso.

Com espaços de produção alagados e os que permanecem secos também sofrendo com os efeitos das chuvas torrenciais, a situação é crítica. A decretação de calamidade pública em 441 dos 497 municípios gaúchos atesta a magnitude do desafio enfrentado.

Segundo a Fiergs, 91% das fábricas do estado estão submersas sob as águas das enchentes, comprometendo não apenas a produção, mas também a sobrevivência financeira das empresas.

A atividade econômica do estado foi profundamente afetada, com os municípios atingidos correspondendo a pelo menos 83% do recolhimento de ICMS, principal fonte de arrecadação.

O impacto humano também é significativo, com funcionários desabrigados ou alojados em casas de parentes, e a produção suspensa em muitas empresas.

Diante dessa adversidade, empresários buscam soluções criativas para manter seus negócios em funcionamento, recorrendo a terceirizações e renegociação de prazos.

No entanto, as perspectivas futuras são sombrias, com a continuidade das chuvas e dos alagamentos prolongando o acesso restrito às sedes das empresas e ampliando as perdas.

Prejuízo até para as empresas que não foram alagadas

O estrago provocado pelas enchentes no Rio Grande do Sul transcende as empresas diretamente afetadas pelas águas, alcançando também aquelas que permanecem fora do alcance das inundações.

Os desafios logísticos e a preocupação com os funcionários se destacam como algumas das principais preocupações enfrentadas.

A obstrução das vias de acesso agrava ainda mais as dificuldades de escoamento da produção, criando entraves significativos para a continuidade das operações.

Além disso, a maioria das empresas enfrenta o desafio de ter funcionários residentes em áreas alagadas, impossibilitados de comparecer ao trabalho.

Mesmo as indústrias situadas em regiões não alagadas não escapam ileso, sofrendo os impactos indiretos da crise. A escassez de fornecimento de itens essenciais para o desenvolvimento da produção, proveniente de empresas parceiras afetadas pelas enchentes, agrava ainda mais a situação.

Para muitas empresas, o verdadeiro tamanho do prejuízo ainda é incerto, com a expectativa de uma redução nas chuvas e do nível de inundação não se concretizando conforme o esperado.

O acesso às fábricas permanece limitado, dificultando qualquer tentativa de avaliação precisa dos danos e a retomada das atividades comerciais.

Indústria e comércio do Rio Grande do Sul pedem socorro

O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico e Eletrônico da região do Vale do Sinos, representando 35 municípios, Sergio Galera, faz um apelo ao governo para intervir na recuperação do setor produtivo diante do desastre das enchentes.

Galera descreve a situação desoladora enfrentada pelas empresas e seus funcionários, com muitos lutando para sobreviver em meio a casas alagadas e um cenário de logística completamente comprometido.

O impacto se estende por toda a cadeia produtiva, afetando desde o escoamento da produção até a disponibilidade de matéria-prima.

O presidente ressalta a impossibilidade de prever um evento tão catastrófico, comparando o estrago provocado pelas enchentes a uma situação de guerra.

Ele expressa confiança na resiliência do povo gaúcho, mas enfatiza que a recuperação demandará um apoio substancial do Estado, incluindo a criação de linhas de crédito a fundo perdido.

Quase 15 dias após o início das chuvas, ainda é difícil quantificar os prejuízos totais. O governo gaúcho estima que serão necessários R$ 19 bilhões apenas para a reconstrução da infraestrutura, mas especialistas alertam que esse valor pode ser insuficiente diante da magnitude da tragédia.

A destruição generalizada de cidades, pontes, estradas e habitações deixa claro que o impacto vai além do aspecto financeiro, exigindo uma resposta urgente e abrangente para enfrentar essa crise sem precedentes.

Impacto das enchentes no Rio Grande do Sul na cadeia de produção nacional

As enchentes no Rio Grande do Sul não apenas assolam o estado, mas também reverberam em toda a cadeia de produção nacional, despertando a preocupação de economistas e autoridades do setor.

O cenário de destruição e perdas na indústria, comércio e serviços levanta uma série de questões sobre o Produto Interno Bruto (PIB), inflação, emprego e outros indicadores econômicos.

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Guilherme Mello, reconhece que os efeitos das enchentes serão sentidos no PIB e nos preços, mas tranquiliza a população ao afirmar que não haverá problemas de desabastecimento no país.

No entanto, ele ressalta a necessidade de cautela diante da magnitude da catástrofe, enfatizando a falta de precisão nas informações disponíveis até o momento.

O que o Governo está fazendo para ajudar?

O Governo Federal está fazendo sua parte para auxiliar o Rio Grande do Sul a superar os efeitos devastadores das enchentes. Já está previsto uma ajuda de R$ 50 bilhões para todos os setores.

Os valores podem ser aplicados em diversas ações, que vão desde o setor industrial até o segmento do comércio.

Abaixo, listamos algumas das principais medidas que o Governo Federal tomou para auxiliar o Rio Grande do Sul frente as enchentes:

  • Auxílio Financeiro Emergencial: Está prevista uma ajuda extraordinária de R$ 50 bilhões destinada a todos os setores afetados pelas enchentes, abrangendo desde o trabalhador comum até o grande industrial.
  • Assistência Imediata: O pacote de auxílio da União para o estado inclui medidas de assistência imediata, visando atender às necessidades mais urgentes das vítimas das enchentes. Isso abrange desde o fornecimento de alimentos e abrigos temporários até o suporte psicossocial para aqueles que foram diretamente afetados pelo desastre.
  • Restabelecimento Mínimo da Vida: Ações para restaurar serviços básicos, como energia elétrica, água potável e saneamento, essenciais para a sobrevivência e o bem-estar das pessoas afetadas.
  • Planificação da Reconstrução: Uma etapa crucial do plano de apoio do governo é a planificação detalhada da reconstrução das áreas devastadas pelas enchentes. Isso envolve o desenvolvimento de estratégias de longo prazo para a recuperação das infraestruturas danificadas, a revitalização das atividades econômicas e a restauração do ambiente natural.
  • Suspensão da Dívida Pública do RS: O governo federal tomou a iniciativa de suspender temporariamente a dívida pública do Rio Grande do Sul, totalizando R$ 11 bilhões.

O que as empresas podem fazer durante a crise?

Diante do desafio imposto pelas enchentes, as empresas enfrentam a necessidade de adotar medidas estratégicas para mitigar os prejuízos e garantir a continuidade de suas operações.

Além das alternativas já estudadas, como a utilização de leis vigentes para mitigar os impactos, como aprovada durante a pandemia da Covid-19, que permite a compensação de dias não trabalhados com antecipação de férias e feriados, bem como a queima de horas extras acumuladas, outras medidas podem ser consideradas:

Plano de Continuidade de Negócios

Desenvolver e implementar um plano de continuidade de negócios é essencial para garantir a resiliência da empresa diante de eventos adversos, como enchentes. Esse plano deve incluir procedimentos para a rápida retomada das atividades, alocação de recursos alternativos e comunicação eficaz com funcionários, clientes e fornecedores.

Diversificação de Fornecedores e Logística

Diversificar a base de fornecedores e as rotas de logística pode reduzir a vulnerabilidade da empresa a interrupções no fornecimento e na distribuição de produtos. Essa estratégia ajuda a garantir a continuidade das operações mesmo em áreas afetadas por desastres naturais.

Seguro contra Danos e Interrupções

Investir em seguros contra danos materiais e interrupções de negócios pode ser uma medida preventiva crucial. É claro que essa medida não combate diretamente os impactos das enchentes atuais, mas pode ser utilizada para evitar prejuízos maiores em desastres futuros.

Esses seguros podem fornecer compensação financeira para cobrir os custos de reparação de danos, perda de estoque e lucros cessantes durante o período de paralisação das atividades.

Flexibilidade e Apoio aos Funcionários

Demonstrar empatia e oferecer apoio aos funcionários afetados pelas enchentes é fundamental.

Além das medidas legais já mencionadas, as empresas podem disponibilizar assistência psicológica, apoio financeiro emergencial e flexibilidade na gestão do trabalho, como horários flexíveis e trabalho remoto, para facilitar a recuperação dos colaboradores e garantir o bem-estar da equipe.

Planejamento Financeiro e Reservas de Emergência

Manter um planejamento financeiro sólido e reservas de emergência adequadas pode ajudar a empresa a enfrentar períodos de crise com mais segurança.

Ter recursos financeiros disponíveis para cobrir despesas imprevistas e investir na recuperação do negócio é essencial para a sustentabilidade a longo prazo.

Essas medidas, combinadas com uma abordagem proativa e adaptável, podem ajudar as empresas a enfrentar os desafios das enchentes e emergir mais fortes e resilientes no futuro.

Direitos trabalhistas dos funcionários afetados pelas enchentes

No contexto das enchentes que assolam o Rio Grande do Sul, é crucial compreender os direitos trabalhistas das pessoas afetadas e as responsabilidades dos empregadores diante dessas circunstâncias desafiadoras.

Abaixo, mostramos alguns pontos que devem ser considerados, de acordo com o site oficial da Universidade Federal do Rio Grande do Sul:

Faltas Justificadas por Motivo de Força Maior

Segundo Rodrigo Coimbra, professor de Direito da UFRGS, a CLT não dispõe de artigos específicos sobre os direitos trabalhistas em situações de calamidade pública, como a que acontece atualmente no Rio Grande do Sul.

Por outro lado, a CLT permite acomodações por “motivos de força maior“, como as enchentes em questão. De acordo com a legislação brasileira, “motivos de força maior” são escritos como “todo acontecimento inevitável, em relação à vontade do empregador, e para a realização do qual este não concorreu, direta ou indiretamente”.

Sendo assim, as faltas comprovadamente causadas pelas enchentes são consideradas situações excepcionais e podem ser justificadas como motivo de força maior. Nesses casos, os dias de ausência não devem ser descontados do salário do empregado.

Acordos Coletivos de Trabalho (ACT) e Convenções Coletivas de Trabalho (CCT)

É importante verificar se existem ACT ou CCT que preveem situações decorrentes de eventos climáticos extremos, como enchentes.

Esses acordos podem fornecer diretrizes específicas sobre como lidar com as faltas e outras questões relacionadas ao trabalho durante crises naturais.

Demissão por Faltas Causadas pelas Enchentes

A demissão de trabalhadores devido a faltas justificadas por motivos de enchentes pode ser considerada ilegal – além de demonstrar uma considerável falta de empatia por parte do gestor.

Segundo a juíza do trabalho Valdete Severo, a falta nesses casos é justificada por motivo de conhecimento público, o que torna a demissão injusta e compromete a sobrevivência do trabalhador.

Descontos no Salário

Descontar o salário dos trabalhadores afetados pelas enchentes devido a faltas justificadas também é considerado inadequado e pode configurar retenção dolosa da remuneração, conduta tipificada como crime.

Em situações excepcionais como essa, é fundamental que empregadores e empregados ajam com bom senso e compreensão mútua. O diálogo aberto e a busca por soluções colaborativas podem ajudar a minimizar os impactos das enchentes no ambiente de trabalho.

Diante desse cenário desafiador, é essencial que tanto empregadores quanto trabalhadores estejam cientes de seus direitos e responsabilidades, garantindo que todas as partes sejam tratadas de forma justa e adequada durante esse período de crise.

FGTS Calamidade para o Rio Grande do Sul: Como solicitar?

Por fim, ainda na semana passada, o Governo Federal confirmou a liberação do saque calamidade do FGTS para os gaúchos afetados pelas enchentes dos últimos dias.

O saque calamidade do FGTS pode ser solicitado pelos moradores dos municípios que declararam estado de emergência ou calamidade pública devido aos fortes temporais.

A opção mais prática para solicitar o saque FGTS calamidade é usar o app FGTS. O aplicativo está disponível tanto para celulares com o sistema operacional Android, quanto para os iPhones e outros aparelhos da Apple que utilizam o iOS.

Com o app baixado e o login feito, é só seguir o passo a passo abaixo para solicitar o saque FGTS calamidade:

  • No app FGTS, clique em “Meus Saques”;
  • Clique em “Outras Situações de Saque”;
  • Selecione o motivo do saque (Calamidade Pública);
  • Na lista que aparecerá em seguida, selecione o município onde você vive;
  • Escolha entre receber o FGTS por crédito em conta bancária; ou saque presencial;
  • Insira todos os documentos solicitados;
  • Revise as informações dos documentos solicitados;
  • Confirme a operação;
  • Pronto! Com isso, se o seu pedido estiver correto, o valor será liberado.

Enchentes no Rio Grande do Sul vão acabar? Previsão do tempo

Após uma sequência de dias marcados por chuvas históricas no Rio Grande do Sul, onde os níveis de inundação ultrapassaram em duas vezes o registro histórico de 1941 em Porto Alegre, o Estado agora se prepara para uma mudança de cenário, deixando as águas de lado para dar lugar ao frio.

Segundo a agência meteorológica Climatempo, a chuva deverá cessar na terça-feira, com a presença do sol no Estado. Contudo, na quarta-feira, espera-se um frio intenso, com as temperaturas atingindo o ponto mais baixo deste ano.

Na quinta-feira, há previsão de retorno das chuvas. A Climatempo afirma que uma área de alta pressão passará pelo Rio Grande do Sul na terça-feira, impedindo a formação de nuvens carregadas de chuva. No entanto, este fenômeno acarretará em uma queda na temperatura.

Há um risco de geadas em áreas como a Serra Gaúcha, que foi afetada pelas chuvas nos últimos dias, e na região da Campanha, que não foi. As temperaturas estarão próximas de 0°C em algumas cidades na terça e na quarta.

Apesar da interrupção da chuva, há uma nova previsão de precipitação para o fim desta semana, de acordo com a MetSul.

“Na sexta-feira, esperamos muitas nuvens e chuva na Metade Norte, com pancadas localmente fortes e trovoadas. Já na Metade Sul, é previsto pouco ou nada de chuva.”

Para o final de semana e a próxima semana, a MetSul prevê frio e sol, sem ocorrência de chuvas.

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

Compartilhe este artigo

Consentimento de Cookies

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Ao continuar navegando, você declara ciência dos: Termos de Uso, Políticas de Privacidade e Cookies.

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog