Díssidio Coletivo: O que é, tipos, quem tem direito

Entenda o que é Dissídio Coletivo, os diferentes tipos, quem tem direito e como ele protege os direitos dos trabalhadores. Veja mais neste artigo!
Sumário
dissídio coletivo

Em um ambiente corporativo e empresarial cada vez mais diversificados, as relações de trabalho podem sofrer com ruídos de comunicação e problemas entre empresas e funcionários. Nesse cenário, o termo dissídio coletivo assume um papel muito importante.

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em termos gerais, estabelece as normas e regras que devem ser seguidas para garantir um bom relacionamento trabalhista.

No entanto, nem sempre os desentendimentos podem ser resolvidos de forma amigável, levando ao processo de dissídio. 

Por isso, no artigo abaixo, vamos abordar o que é o dissídio coletivo, os diferentes tipos existentes, quem tem direito a recorrer a ele, e como a empresa pode evitar esse tipo de conflito. Leia com atenção!

O que é dissídio?

De acordo com o dicionário, dissídio é um termo que significa discordância, conflito ou discórdia. A expressão pode ser utilizada em diversos contextos, mas atualmente, seu significado mais importante é intimamente relacionado aos conflitos no trabalho.

Sendo assim, no contexto empresarial, o dissídio se refere a desentendimentos entre a empresa e um funcionário ou sindicato de trabalhadores.

Na área jurídica, o dissídio é tratado como processo judicial para resolver esses conflitos. O dissídio está previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e é julgado pela Justiça do Trabalho.

Existem diferentes tipos de dissídio, e é importante compreender como eles funcionam para garantir a aplicação correta da legislação trabalhista e a resolução adequada dos conflitos nas relações trabalhistas.

Conheça os 3 tipos de dissídio

O dissídio, como você já deve ter entendido, é um processo judicial que visa resolver conflitos entre empresas e trabalhadores.

Existem três tipos principais de dissídio: individual, coletivo e salarial. Vamos entender melhor cada um deles:

Dissídio individual

O dissídio individual ocorre quando há um conflito de interesses entre um funcionário e a empresa em que trabalha.

Nesse tipo de dissídio, as partes envolvidas buscam resolver suas divergências perante a Justiça do Trabalho.

Dissídio coletivo

O dissídio coletivo acontece quando há um conflito entre uma categoria profissional representada por um sindicato e a empresa.

Nessa situação, os sindicatos patronais e trabalhistas entram em ação para mediar o conflito e buscar um acordo justo para ambas as partes.

Dissídio salarial

O dissídio salarial é muito importante para garantir que os funcionários tenham seus salários atualizados anualmente, levando em consideração a inflação e o poder de compra.

Nesse tipo de dissídio, busca-se negociar reajustes salariais de forma a preservar os direitos e garantias dos trabalhadores.

É fundamental compreender os diferentes tipos de dissídio para saber quais medidas podem ser tomadas em caso de conflito entre empresas e trabalhadores.

Cada tipo possui suas especificidades e deve seguir as normas previstas na legislação trabalhista.

Ao entender melhor esses tipos de dissídio, é possível buscar uma resolução satisfatória para ambas as partes envolvidas.

Qual é a relação do dissídio coletivo com os sindicatos?

O dissídio coletivo está intrinsecamente relacionado aos sindicatos, pois é por meio deles que muitas vezes ocorrem as negociações e mediações entre empregados e empregadores durante esse processo.

Os sindicatos desempenham um papel fundamental na representação dos interesses coletivos dos trabalhadores, defendendo seus direitos e buscando condições mais justas de trabalho.

Durante as negociações de dissídio coletivo, os sindicatos podem atuar como intermediários entre os trabalhadores e as empresas, buscando acordos que atendam às demandas de ambas as partes.

Eles podem apresentar propostas, defender reivindicações salariais, condições de trabalho e benefícios, entre outros aspectos.

Além disso, a contribuição sindical, que é paga pelos trabalhadores representados, constitui uma fonte de recursos financeiros para os sindicatos.

Esses recursos são essenciais para que os sindicatos possam cumprir seu papel de representação dos trabalhadores e participar ativamente das negociações de dissídio coletivo, garantindo que os interesses da categoria sejam defendidos de forma eficaz.

Portanto, a relação entre dissídio coletivo e sindicatos é estreita e instrumental para o funcionamento do sistema de relações trabalhistas, onde os sindicatos desempenham um papel fundamental na defesa dos direitos dos trabalhadores e na busca por condições de trabalho mais justas e equitativas.

Quem tem direito ao dissídio coletivo?

Falando em direitos dos trabalhadores, a seguinte questão se torna extremamente importante: afinal de contas, quem tem direito ao dissídio coletivo?

O dissídio coletivo, como citamos anteriormente, é um instrumento previsto na legislação trabalhista brasileira que visa resolver conflitos entre empregadores e empregados quando não há acordo nas negociações coletivas.

Nesse sentido, todos os trabalhadores que fazem parte de uma categoria profissional representada por um sindicato têm direito ao dissídio coletivo.

Isso significa que, se uma categoria de trabalhadores, como por exemplo os metalúrgicos, os bancários ou os professores, não chegar a um acordo com os empregadores durante as negociações coletivas, eles podem recorrer ao dissídio coletivo para que o conflito seja resolvido judicialmente com o auxílio do sindicato.

Em termos mais práticos, todos os trabalhadores que estão vinculados a um sindicato representativo de sua categoria têm direito ao dissídio coletivo como forma de buscar uma solução para eventuais impasses nas negociações trabalhistas.

Quem tem direito aos outros tipos de dissídio?

Tanto a empresa quanto o funcionário têm direito a recorrer às outras modalidades de dissídio. Quanto ao dissídio coletivo, apenas os trabalhadores que são representados por sindicatos e convenções coletivas podem usar esse método de resolução judicial.

Para abrir um dissídio coletivo, é necessário apresentar documentos que comprovem a tentativa de acordo, obter a aprovação da categoria em uma assembleia e concordância da outra parte envolvida.

Nesse cenário, a empresa deve estar ciente das leis trabalhistas e garantir que esteja cumprindo todas as obrigações legais em relação aos funcionários.

Já os funcionários e os sindicatos devem conhecer seus direitos e saber como defendê-los em casos de conflitos trabalhistas.

Em suma, todas as partes envolvidas no dissídio têm o direito de buscar uma solução justa para os conflitos trabalhistas por meio do processo de dissídio.

O que é dissídio coletivo de greve?

O dissídio coletivo de greve é um processo judicial que ocorre quando uma greve realizada por trabalhadores é considerada abusiva ou ilegal e as partes envolvidas não conseguem resolver o conflito por meio de negociações diretas.

Esse tipo de dissídio coletivo é regulamentado pela legislação trabalhista brasileira, especificamente nos casos em que a greve afeta serviços ou atividades essenciais à população.

Quando uma greve é considerada abusiva ou ilegal, o empregador ou outra parte interessada pode entrar com uma ação judicial solicitando a declaração de ilegalidade da greve e a aplicação de sanções aos trabalhadores ou ao sindicato responsável pela paralisação.

Esse processo é conhecido como dissídio coletivo de greve.

Durante o processo de dissídio coletivo de greve, o tribunal responsável pela questão trabalhará para mediar o conflito, ouvindo os argumentos das partes envolvidas e buscando uma solução que seja justa e equilibrada para ambas as partes.

Dependendo da decisão judicial, podem ser aplicadas sanções aos trabalhadores ou ao sindicato, como descontos nos salários, demissões, multas ou outras medidas disciplinares.

É importante destacar que o dissídio coletivo de greve é um instrumento legal destinado a garantir o equilíbrio e a ordem nas relações de trabalho, assegurando o direito à greve, mas também protegendo os interesses da sociedade e garantindo a continuidade de serviços essenciais.

Como calcular o dissídio salarial?

O dissídio salarial é um processo importante para garantir a correção dos salários dos trabalhadores em relação à inflação e a manutenção do seu poder de compra.

Para calcular o dissídio salarial, é necessário considerar alguns fatores-chave.

  • Inflação: A inflação é um indicador econômico fundamental para o cálculo do dissídio salarial. É preciso verificar a taxa de inflação no período e considerar esse valor para a correção dos salários.
  • Reajuste salarial: Além da inflação, é fundamental levar em conta o reajuste salarial definido em acordos e convenções coletivas. Esses acordos podem determinar um percentual de aumento que deve ser aplicado ao salário dos trabalhadores.
  • Aumento da produtividade nacional: Também é importante considerar o aumento da produtividade nacional ao calcular o dissídio salarial. O aumento está relacionado à melhoria da eficiência e da produtividade das empresas e pode impactar no valor do reajuste salarial.

Em casos específicos, como de funcionários admitidos após a data-base do reajuste, é necessário fazer um cálculo proporcional levando em conta o período trabalhado.

Essa proporção deve ser definida de acordo com as normas e cláusulas estabelecidas nos acordos e convenções coletivas.

Qual a diferença entre o dissídio, acordo e convenção trabalhista?

Quando se trata de resolver conflitos nas relações de trabalho, é fundamental entender as diferenças entre dissídio, acordo e convenção trabalhista.

Embora todos estejam relacionados à busca por soluções em situações de discordância, cada um possui suas próprias características e formas de se estabelecer.

O dissídio, por exemplo, é um processo judicial que é instaurado quando empregadores e empregados não conseguem chegar a um acordo mutuamente satisfatório.

Nesse caso, o dissídio é necessário para fazer valer os direitos e as condições de trabalho definidas por lei.

Já o acordo trabalhista é uma forma de acordo voluntário, em que as partes envolvidas – seja a empresa e seus funcionários ou os sindicatos – concordam em estabelecer regras específicas para o trabalho.

Esses acordos podem abordar questões como jornada de trabalho, salários, benefícios, entre outros aspectos que regulamentam a relação de trabalho.

Por fim, temos a convenção trabalhista, que é um acordo coletivo aplicável a toda uma categoria profissional.

Nesse caso, representantes dos trabalhadores e dos empregadores se reúnem para estabelecer regras gerais que se aplicarão a todas as empresas e trabalhadores dessa categoria.

A convenção trabalhista busca garantir normas e condições de trabalho equitativas e justas para todos os envolvidos.

Em síntese, enquanto o dissídio é um processo judicial, o acordo e a convenção trabalhista são acordos voluntários, a diferença entre eles está na forma como são estabelecidos e na abrangência de suas aplicações.

O que é dissídio retroativo?

O dissídio retroativo ocorre quando há atraso no pagamento dos reajustes salariais. Nessa situação, a empresa deve fazer o pagamento retroativo referente ao período entre a data-base do reajuste e a data de homologação do acordo.

No dissídio retroativo, o pagamento é feito de forma retroativa, ou seja, a empresa deve quitar os valores atrasados para os funcionários.

Isso ocorre quando o reajuste salarial não é efetuado na data prevista ou quando há um atraso na homologação do acordo coletivo.

  • Por exemplo: se o reajuste salarial estava previsto para ser aplicado a partir do mês de janeiro, mas a empresa atrasa o pagamento até março, ela deve pagar retroativamente os valores referentes aos meses anteriores.

Seja como for, o dissídio retroativo deve seguir as normas estabelecidas na legislação trabalhista e nos acordos coletivos. Dessa forma, a empresa evita problemas jurídicos e garante que os funcionários recebam o pagamento correto ao qual têm direito.

Como funciona a tramitação do dissídio na Justiça?

O dissídio coletivo é uma medida legal disponível quando as negociações entre sindicatos e empresas chegam a um impasse, geralmente relacionado a questões trabalhistas como salários, benefícios, jornada de trabalho, entre outros.

Quando as partes não conseguem chegar a um acordo por meio de negociações diretas, recorrem ao Poder Judiciário para resolver o conflito.

A tramitação do dissídio na Justiça é bastante parecida com a de processos de outras categorias. Veja abaixo:

  • Petição Inicial: O dissídio coletivo tem início com a apresentação de uma petição inicial por parte do sindicato representante dos trabalhadores, da empresa, ou por ambas as partes. Nessa petição, são detalhadas as reivindicações ou os pontos de conflito que não foram resolvidos por meio de negociações diretas.
  • Notificação e Audiência de Conciliação: Após a apresentação da petição inicial, o tribunal notifica as partes envolvidas e agenda uma audiência de conciliação. O objetivo dessa audiência é tentar resolver o conflito de forma amigável, com a mediação do juiz responsável pelo caso.
  • Instrução Processual: Se as partes não chegarem a um acordo durante a audiência de conciliação, o processo entra na fase de instrução processual. Nessa etapa, são realizadas diligências, como a oitiva de testemunhas e a apresentação de documentos, para esclarecer os fatos e fundamentar as argumentações das partes.
  • Sentença: Após a instrução processual, o juiz responsável pelo caso proferirá uma sentença, que será a decisão final sobre o dissídio coletivo. Essa sentença pode determinar os termos do acordo entre as partes, estabelecer condições de trabalho ou salariais, ou resolver o conflito de outra maneira.
  • Recurso: As partes têm o direito de recorrer da decisão judicial, caso não concordem com os termos da sentença. Os recursos podem ser interpostos para instâncias superiores, como Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs) e o Tribunal Superior do Trabalho (TST), dependendo do caso.

Esses são os principais passos do processo de tramitação do dissídio coletivo na justiça, que visa resolver conflitos trabalhistas de forma justa e equitativa.

Dissídio muda com a Reforma Trabalhista?

Sim! A Reforma Trabalhista trouxe mudanças significativas para os processos de dissídio, especialmente no que diz respeito às cláusulas coletivas.

Agora, com a nova legislação, as cláusulas perdem a validade após o término do acordo vigente, o que tem levado muitos sindicatos a recorrer à justiça para preservar os direitos dos trabalhadores.

Ou seja: as cláusulas coletivas precisam ser debatidas e negociadas a cada novo acordo, pois não são mais automaticamente estendidas ao término do acordo anterior.

Essa mudança pode afetar tanto as empresas quanto os trabalhadores, uma vez que a negociação de cláusulas específicas e favoráveis aos funcionários pode se tornar mais complexa.

Os sindicatos agora precisam se esforçar para preservar as conquistas já estabelecidas nas cláusulas coletivas ao firmar novos acordos e defender os interesses dos trabalhadores.

FAQ

O que é dissídio coletivo?

Dissídio coletivo é um conflito que ocorre entre uma empresa e seus funcionários, ou entre a empresa e um sindicato de trabalhadores. É um processo judicial previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para resolver desentendimentos e garantir um bom relacionamento trabalhista.

Quem tem direito ao dissídio?

Tanto a empresa quanto o funcionário, ou o sindicato de uma classe trabalhadora, têm o direito de recorrer ao dissídio. Isso ocorre quando não há acordo entre as partes e o conflito não pode ser resolvido de forma amigável.

Quais os tipos de dissídio?

Existem três tipos principais de dissídio: individual, coletivo e salarial.

Como calcular o dissídio salarial?

O dissídio salarial é calculado com base na correção dos salários em relação à inflação. É necessário levar em consideração fatores como a inflação do período, o aumento da produtividade nacional e as cláusulas estabelecidas em acordos e convenções coletivas.

Qual a diferença entre o dissídio, acordo e convenção trabalhista?

O dissídio é um processo judicial para resolver conflitos entre empregadores e empregados. O acordo trabalhista é um acordo voluntário firmado entre as partes, seja empresa e funcionários ou os sindicatos. A convenção trabalhista é um acordo coletivo válido para toda uma categoria profissional.

O dissídio muda com a Reforma Trabalhista?

Sim, a Reforma Trabalhista trouxe mudanças para os processos de dissídio, especialmente em relação às cláusulas coletivas. Agora, as cláusulas perdem validade após o término do acordo em vigor, o que levou muitos sindicatos a recorrer à justiça para preservar os direitos dos trabalhadores.

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

Compartilhe este artigo

Consentimento de Cookies

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Ao continuar navegando, você declara ciência dos: Termos de Uso, Políticas de Privacidade e Cookies.

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog