Processo trabalhista entra no Imposto de Renda? Veja como declarar

Saiba se é necessário incluir seu processo trabalhista no Imposto de Renda e aprenda o passo a passo para declará-lo corretamente à Receita Federal. Veja mais neste artigo!
Sumário
processo trabalhista

Com o período de declaração do IR já em vigor, muita gente quer saber: processo trabalhista entra no Imposto de Renda? Em outras palavras, é necessário declarar rendimentos obtidos por ações na Justiça do Trabalho para a Receita Federal?

De antemão, podemos dizer que declarar corretamente um processo trabalhista no Imposto de Renda é fundamental para estar em conformidade com as obrigações fiscais e evitar problemas futuros.

Além disso, vamos explicar como declarar as diferentes situações relacionadas a um processo trabalhista, como indenizações, verbas trabalhistas e honorários advocatícios. Cada tipo de rendimento possui uma forma correta de ser declarado, para garantir que você informe corretamente os valores recebidos.

Fique atento ao nosso artigo e saiba como declarar corretamente um processo trabalhista no Imposto de Renda!

Quais são os processos trabalhistas mais comuns?

Os processos trabalhistas são disputas legais entre empregadores e empregados, que envolvem questões relacionadas aos direitos trabalhistas, como salário, jornada de trabalho, benefícios, condições de trabalho, demissões, entre outros.

No Brasil, esses processos são regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e outras normas específicas.

Aqui estão alguns dos processos trabalhistas mais comuns no Brasil:

  • Reclamatória Trabalhista: É o processo mais comum na esfera trabalhista. Ocorre quando um empregado alega que seus direitos trabalhistas foram violados pelo empregador. Isso pode incluir questões como salários não pagos, horas extras não remuneradas, falta de pagamento de verbas rescisórias, entre outros.
  • Ação de Acidente de Trabalho: Envolve situações em que o trabalhador sofre um acidente ou adquire uma doença relacionada ao trabalho. Nesse caso, o empregado pode buscar indenização por danos físicos, morais e materiais.
  • Reclamação de FGTS: O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) engloba valores depositados pelos empregadores em contas vinculadas dos trabalhadores. Se houver irregularidades nos depósitos ou atrasos no pagamento, o empregado pode mover uma ação para reivindicar seus direitos.
  • Rescisão Indireta do Contrato de Trabalho: Quando o empregado considera que o empregador cometeu uma falta grave, configurando uma quebra de contrato por parte do empregador, ele pode solicitar a rescisão indireta do contrato e buscar os direitos trabalhistas devidos.
  • Assédio Moral ou Sexual: Quando um empregado é vítima de assédio moral ou sexual no ambiente de trabalho, ele pode mover uma ação para buscar reparação pelos danos sofridos, tanto morais quanto materiais.

Esses são apenas alguns exemplos, pois existem muitas outras situações que podem levar a processos trabalhistas, cada um com suas particularidades e nuances.

Processo trabalhista entra no Imposto de Renda 2024?

Sim! É necessário declarar processo trabalhista no Imposto de Renda 2024. Portanto, se você obteve rendimentos dessa natureza em 2023, os valores deverão ser informados na sua declaração de IR.

Além disso, de acordo com as regras da Receita Federal, os valores em questão só se referem a ações trabalhistas que já foram concluídas.

Portanto, se o seu processo na Justiça do Trabalho ainda está em andamento, ou se ainda existe a possibilidade de recurso por parte da empresa, será necessário aguardar a conclusão para declarar os valores.

  • Por exemplo: se o processo for concluído em 2024, você só terá que declarar os rendimentos correspondentes no IR de 2025, e assim sucessivamente.

Vale lembrar que, independentemente da origem, os rendimentos tributáveis acima de R$30.639,90 devem ser declarados, assim como os valores isentos acima de R$ 200 mil.

Como declarar indenização por processo trabalhista

As indenizações recebidas em um processo trabalhista são consideradas rendimentos isentos e devem ser informadas na ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” da declaração do Imposto de Renda.

Para declarar corretamente uma indenização por processo trabalhista no Imposto de Renda, siga os passos abaixo:

  • Acesse o programa Meu Imposto de Renda da Receita Federal;
  • Escolha o tipo de declaração;
  • Crie uma nova declaração para o ano-calendário correspondente (nesse caso, 2023);
  • Preencha a ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”.

Na ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis“, é necessário selecionar o código correto para cada tipo de indenização recebida, como rescisão de contrato de trabalho, danos morais ou outras indenizações previstas em lei. Informe o valor recebido, o CPF/CNPJ da empresa responsável pelo pagamento da indenização e o nome do empregador.

Lembre-se de preencher todas as informações corretamente para evitar problemas com a Receita Federal. Consulte a decisão judicial do processo trabalhista para obter os valores corretos a serem informados.

Declaração de verbas trabalhistas no Imposto de Renda

Quando se trata da declaração do Imposto de Renda, é importante lembrar de incluir as verbas trabalhistas recebidas ao longo do ano. Essas verbas podem incluir salários atrasados, férias não pagas, aposentadoria, entre outras.

Para declarar corretamente as verbas trabalhistas, é necessário preencher a ficha de “Rendimentos Recebidos Acumuladamente” (RRA).

Nessa ficha, você deverá informar o valor da ação trabalhista sujeito à tributação. É importante lembrar de descontar os honorários advocatícios proporcionais a esse valor.

  • Atenção! Não se esqueça de informar o CNPJ e o nome da empresa para a qual você prestou serviços. Essas informações são fundamentais para o cálculo do imposto sobre o valor tributável.

Lembre-se de que a declaração correta das verbas trabalhistas no Imposto de Renda é essencial para evitar problemas futuros com a Receita Federal. Ao realizar a declaração de forma precisa e completa, você estará em conformidade com as obrigações fiscais e garantirá a transparência de suas informações.

Como declarar honorários advocatícios no Imposto de Renda

Os honorários advocatícios pagos em um processo trabalhista devem ser informados na ficha de “Pagamentos Efetuados” da declaração de IR.

A expressão “honorários advocatícios”, para quem não sabe, se refere às remunerações que os advogados recebem pelos serviços prestados aos seus clientes.

Para fazer a declaração correta desse tipo de valor, é só acompanhar o passo a passo abaixo:

  • Acesse o programa Meu Imposto de Renda
  • Escolha o tipo de declaração
  • Crie uma nova declaração para o ano-calendário correspondente
  • Preencha a ficha de “Pagamentos Efetuados”
  • Selecione o código relacionado a processos trabalhistas
  • Informe o CNPJ/CPF e nome da empresa/advogado
  • Informe o valor total pago ao advogado, sem descontos proporcionais

Lembre-se de manter todos os documentos comprobatórios, como recibos e contratos, para eventuais comprovações futuras.

Benefícios de declarar processo trabalhista no Imposto de Renda

Declarar corretamente um processo trabalhista no Imposto de Renda traz diversos benefícios para o contribuinte. Além de evitar problemas futuros com a Receita Federal, a declaração adequada permite evitar o cruzamento de dados e a inclusão na malha fiscal.

Um dos principais benefícios de declarar o processo trabalhista é a possibilidade de justificar sua progressão patrimonial. Ao inserir os valores recebidos na declaração, você comprova a origem desses recursos e evita questionamentos por parte da Receita Federal.

A Receita Federal realiza o cruzamento de dados dos contribuintes para verificar se as informações declaradas são condizentes com a realidade.

Sendo assim, declarar corretamente o processo trabalhista garante que suas informações estejam em conformidade com os dados existentes, evitando problemas com o órgão governamental.

Sob o mesmo ponto de vista, declarar os valores recebidos em um processo trabalhista também é uma forma de evitar a inclusão na malha fiscal.

A malha fiscal é um processo de análise criteriosa da Receita Federal, no qual são identificadas possíveis inconsistências nas declarações. Por meio da declaração correta dos processos trabalhistas, você reduz as chances de ser selecionado para esse processo de investigação mais minucioso.

Portanto, é fundamental que, ao receber valores decorrentes de um processo trabalhista, você faça a declaração adequada no Imposto de Renda 2024.

Conheça as fichas do Imposto de Renda 2024

No momento de preencher as fichas, tenha em mãos as informações necessárias, como os valores recebidos no processo, a natureza dos rendimentos e os pagamentos efetuados relacionados ao caso.

Certifique-se de preencher corretamente cada campo, incluindo os dados do empregador, CNPJ e CPF, quando necessário.

Abaixo, mostramos os principais detalhes sobre as fichas mais utilizadas para a declaração do Imposto de Renda 2024:

Ficha Descrição
Ficha de Rendimentos Isentos Ficha onde são informados os rendimentos isentos, incluindo as indenizações recebidas no processo trabalhista.
Ficha de Rendimentos Recebidos Acumuladamente Ficha utilizada para declarar os rendimentos recebidos acumuladamente no processo trabalhista, como salários atrasados e férias não pagas.
Ficha de Pagamentos Efetuados Ficha onde são informados os pagamentos efetuados relacionados ao processo trabalhista, como honorários advocatícios.

Documentos para declarar um processo trabalhista no Imposto de Renda

Agora que você já sabe como declarar processo trabalhista no IR, é hora de conferir a lista de documentos que devem ser utilizados para esse tipo de declaração.

Esses documentos ajudarão a garantir que você tenha todas as informações necessárias para preencher corretamente sua declaração. São eles:

  • Informe de Rendimentos: Certifique-se de ter o informe de rendimentos fornecido pelo empregador referente ao processo trabalhista. Esse documento contém informações como valores recebidos e descontos.
  • Decisão Judicial: Tenha em mãos a decisão judicial que determina os valores a serem recebidos no processo trabalhista. A decisão é fundamental para comprovar a origem e a natureza dos valores recebidos.
  • Outros Documentos Relacionados: Verifique se há outros documentos relacionados ao processo trabalhista que possam ser úteis para preencher sua declaração, como comprovantes de pagamento de honorários advocatícios ou documentos relacionados a indenizações recebidas.

Diferença entre indenização e verbas trabalhistas no Imposto de Renda

A declaração do Imposto de Renda envolve a análise cuidadosa dos diferentes tipos de rendimentos, incluindo indenizações e verbas trabalhistas. É essencial compreender a diferença entre esses dois termos para realizar a declaração corretamente.

As indenizações são valores pagos como compensação por danos sofridos, como indenizações por demissão injusta ou danos morais.

Esses valores são considerados rendimentos isentos e devem ser declarados na ficha específica de “Rendimentos Isentos” da declaração do Imposto de Renda. Certifique-se de informar corretamente o tipo de indenização recebida, o valor, o CPF/CNPJ da empresa pagadora e o nome do empregador.

Por outro lado, as verbas trabalhistas englobam pagamentos relacionados a direitos trabalhistas do empregado, como salários atrasados, férias não pagas e rescisões contratuais.

Tais valores devem ser informados na ficha de “Rendimentos Recebidos Acumuladamente” da declaração do Imposto de Renda. É importante indicar corretamente o valor total recebido, descontando os honorários advocatícios proporcionais, e informar o CNPJ e o nome da empresa que efetuou o pagamento.

Garanta que você está declarando corretamente cada tipo de rendimento, seja indenização ou verba trabalhista, utilizando as fichas adequadas da declaração do Imposto de Renda.

Escolha da forma de tributação para processos trabalhistas no Imposto de Renda

Ao declarar um processo trabalhista no Imposto de Renda, torna-se crucial escolher a forma de tributação adequada. Existem duas opções: tributação exclusiva na fonte e ajuste anual.

A tributação exclusiva na fonte é calculada com base na tabela progressiva do Imposto de Renda. O cálculo leva em conta o número de meses em que os valores foram recebidos. Essa forma de tributação é mais simples, pois o imposto é retido diretamente na fonte, evitando ajustes futuros.

Já o ajuste anual consiste em somar os rendimentos do processo trabalhista aos demais rendimentos do ano. Em seguida, são aplicadas as deduções legais para calcular o imposto devido.

Essa opção pode ser mais vantajosa para algumas pessoas, especialmente se possuem outras despesas dedutíveis.

Para decidir qual forma de tributação é melhor no seu caso, é recomendável fazer simulações. Analise como cada opção afeta o valor a ser pago de imposto e escolha aquela que for mais vantajosa para você.

Calendário Imposto de Renda 2024 – Declaração e restituições

Por fim, é hora de conferir o cronograma do Imposto de Renda 2024 para fazer a declaração em tempo hábil e não desrespeitar os prazos estabelecidos pela Receita Federal.

Em 2024, o período de entrega da declaração de Imposto de Renda começou no dia 15 de março. É possível enviar o documento ao Leão até, no máximo, 23h59m do dia 31 de maio.

No mesmo dia, começa a distribuição das primeiras restituições do Imposto de Renda. O pagamento destes valores continua até setembro, sendo dividido em 5 lotes.

Veja abaixo o calendário de restituições do Imposto de Renda 2024:

  • 1º lote de restituição do Imposto de Renda: 31 de maio;
  • 2º lote de restituição do Imposto de Renda: 28 de junho;
  • 3º lote de restituição do Imposto de Renda: 31 de julho;
  • 4º lote de restituição do Imposto de Renda: 30 de agosto;
  • 5º lote de restituição do Imposto de Renda: 30 de setembro.

Alguns grupos de contribuintes têm prioridade no recebimento das restituições. Em outras palavras, recebem os pagamentos mais cedo. A prioridade segue a seguinte ordem:

  • Idosos com mais de 80 anos;
  • Idosos entre 60 e 79 anos;
  • Pessoas com Deficiência (PCDs) e contribuintes com doenças graves;
  • Contribuintes que têm o magistério como principal fonte de renda;
  • Contribuintes que escolheram a declaração pré-preenchida de IR, ou que optaram pelo Pix como forma de pagamento.

Fique de olho no blog da Genyo para conferir as principais novidades sobre o Imposto de Renda 2024, direitos trabalhistas, gestão de pessoas, controle de ponto eletrônico e muito mais!

FAQ

Processo trabalhista entra no Imposto de Renda?

Sim. Quem obteve ganhos relacionados a processos trabalhistas deve declarar os valores no Imposto de Renda.

Como declarar indenização por processo trabalhista

As indenizações recebidas em um processo trabalhista são consideradas rendimentos isentos e devem ser informadas na ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” da declaração do Imposto de Renda.

Declaração de verbas trabalhistas no Imposto de Renda

As verbas trabalhistas, como salários atrasados, férias não pagas e aposentadoria, devem ser informadas na ficha de “Rendimentos Recebidos Acumuladamente” ou “RRA”.

Como declarar honorários advocatícios no Imposto de Renda

Os honorários advocatícios pagos em um processo trabalhista devem ser informados na ficha de “Pagamentos Efetuados” da declaração do Imposto de Renda. Informe o valor total pago ao advogado sem descontos proporcionais.

Benefícios de declarar processo trabalhista no Imposto de Renda

Declarar corretamente um processo trabalhista no Imposto de Renda traz benefícios como evitar problemas futuros com a Receita Federal, cruzamento de dados e malha fiscal.

Passo a passo para declarar um processo trabalhista no Imposto de Renda

Acesse o programa Meu Imposto de Renda da Receita Federal, escolha o tipo de declaração (online ou software), crie uma nova declaração para o ano-calendário correspondente e preencha as fichas de rendimentos isentos, rendimentos recebidos acumuladamente e pagamentos efetuados conforme as orientações fornecidas.

Documentos necessários para declarar um processo trabalhista no Imposto de Renda

Antes de iniciar a declaração, tenha em mãos o informe de rendimentos fornecido pelo empregador, a decisão judicial que determina os valores a serem recebidos e outros documentos relacionados ao processo trabalhista. Garanta que possui tudo o que precisa antes de começar o preenchimento.

Diferença entre indenização e verbas trabalhistas no Imposto de Renda

As indenizações são consideradas rendimentos isentos e devem ser declaradas em uma ficha específica de rendimentos isentos. Já as verbas trabalhistas, como salários atrasados e férias não pagas, devem ser declaradas na ficha de rendimentos recebidos acumuladamente.

Escolha da forma de tributação para processos trabalhistas no Imposto de Renda

Ao declarar um processo trabalhista no Imposto de Renda, é necessário escolher a forma de tributação adequada. Pode-se optar pela tributação exclusiva na fonte, calculada com base na tabela progressiva do Imposto de Renda, levando em conta o número de meses de recebimento dos valores.

Importância da declaração correta de um processo trabalhista no Imposto de Renda

A declaração correta de um processo trabalhista no Imposto de Renda é importante para evitar problemas com a Receita Federal, garantir o cumprimento das obrigações fiscais e justificar a evolução patrimonial.

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

Compartilhe este artigo

Consentimento de Cookies

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Ao continuar navegando, você declara ciência dos: Termos de Uso, Políticas de Privacidade e Cookies.

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog