Lucro presumido vs. Lucro real: Como definir seu regime tributário?

Entenda as diferenças entre lucro presumido e lucro real! Qual regime de tributação é o ideal para sua empresa? Compare em nosso guia. Veja mais neste artigo!
Sumário
lucro presumido

Escolher o regime tributário adequado é uma das decisões mais importantes que um empreendedor pode tomar ao iniciar ou gerenciar um negócio. Afinal, essa escolha pode ter um impacto significativo nas finanças da empresa, na carga tributária a ser paga e até mesmo na sua competitividade no mercado.

Entre os regimes tributários mais comuns no Brasil, destacam-se o Lucro Presumido e o Lucro Real, cada um com suas particularidades, vantagens e desafios.

Por isso, no artigo abaixo, vamos explorar as nuances desses dois regimes tributários e fornecer dicas valiosas para ajudar empreendedores e gestores de empresas a definir qual deles é mais adequado para o seu negócio.

Ao entender as características de cada regime e como elas se aplicam à sua empresa, você estará melhor preparado para tomar decisões informadas e estratégicas que contribuam para o sucesso do seu empreendimento. Continue lendo!

O que são regimes de tributação?

Regimes de tributação são conjuntos de regras e normas estabelecidas pelos órgãos governamentais para determinar como as empresas devem calcular e pagar seus impostos.

No contexto empresarial, a escolha do regime de tributação correto pode ter um impacto significativo nas finanças e na viabilidade do negócio. Essa decisão afeta diretamente a carga tributária da empresa, influenciando seus custos operacionais e, consequentemente, sua lucratividade.

Existem vários regimes de tributação em vigor no Brasil, cada um com suas próprias características, vantagens e desvantagens. Alguns dos regimes mais comuns incluem:

  • Lucro Presumido: Nesse regime, a tributação é calculada com base em uma margem de lucro presumida, determinada pela Receita Federal. As alíquotas são aplicadas sobre essa margem presumida, independentemente do lucro real obtido pela empresa. É um regime simplificado, adequado principalmente para empresas com faturamento anual dentro de determinados limites.
  • Lucro Real: No Lucro Real, os impostos são calculados com base no lucro líquido real obtido pela empresa durante o período de apuração. Isso significa que a tributação é feita com base nos resultados financeiros efetivos da empresa, considerando todas as receitas e despesas. É um regime mais complexo, exigindo um acompanhamento contábil detalhado, mas pode ser vantajoso para empresas com margens de lucro variáveis ou prejuízos acumulados.
  • Simples Nacional: O Simples Nacional é um regime tributário simplificado, aplicável a micro e pequenas empresas. Ele unifica o pagamento de vários impostos em uma única guia, com alíquotas progressivas de acordo com o faturamento anual da empresa. É uma opção interessante para empresas de menor porte, pois simplifica o processo de tributação e reduz a carga burocrática.
  • MEI (Microempreendedor Individual): Destinado a empreendedores individuais que faturam até um determinado limite anual, o MEI também é um regime simplificado. Os MEIs pagam um valor fixo mensal, que inclui todos os impostos e contribuições obrigatórias, facilitando a regularização e o cumprimento das obrigações fiscais.

A escolha do regime de tributação adequado é crucial para garantir a sustentabilidade financeira e o crescimento do negócio. Um regime tributário bem escolhido pode reduzir a carga fiscal da empresa, melhorar sua competitividade no mercado, otimizar seus custos operacionais e aumentar sua lucratividade.

Por outro lado, uma escolha inadequada pode resultar em altos encargos fiscais, dificultando o crescimento e a sobrevivência da empresa. Portanto, é essencial que os empreendedores compreendam as características de cada regime tributário e busquem orientação especializada na hora de fazer essa importante decisão.

Abaixo, vamos falar mais sobre dois regimes tributários de grande importância para as empresas brasileiras: o lucro presumido e o lucro real.

Lucro Presumido: O que é e como funciona?

O Lucro Presumido é um regime tributário adotado por algumas empresas para o cálculo e recolhimento de impostos, como o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Ele é caracterizado por uma presunção do lucro obtido pela empresa, que serve de base para a apuração dos impostos devidos. Nesse regime, a tributação não é calculada com base no lucro real da empresa, mas sim sobre uma margem de lucro presumida, estabelecida pela legislação fiscal.

O funcionamento do Lucro Presumido é relativamente simples: a Receita Federal determina uma margem de lucro presumida para cada atividade econômica, que varia de acordo com o tipo de negócio.

Essa margem é aplicada sobre a receita bruta auferida pela empresa, resultando no lucro presumido. Os impostos IRPJ e CSLL são então calculados sobre esse lucro presumido, com alíquotas pré-fixadas pela legislação tributária.

Uma das principais vantagens do Lucro Presumido é a sua simplicidade em relação ao Lucro Real. Como não é necessário fazer o acompanhamento contábil detalhado das receitas e despesas da empresa, a burocracia e os custos administrativos são reduzidos.

Sob o mesmo ponto de vista, as alíquotas de impostos costumam ser menores em comparação com o Lucro Real, o que pode representar uma economia tributária para algumas empresas.

No entanto, é importante ressaltar que o Lucro Presumido também tem suas limitações e desvantagens. Como a tributação é calculada com base em uma margem presumida, pode haver distorções em relação ao lucro real obtido pela empresa.

Em termos mais práticos, isso significa que, em alguns casos, a empresa pode pagar mais impostos do que realmente deveria, especialmente se sua margem de lucro efetiva for menor do que a presumida.

Por fim, o Lucro Presumido não permite o aproveitamento de todos os créditos fiscais disponíveis, o que pode aumentar a carga tributária em determinadas situações.

Lucro presumido na prática: Como adotar?

Exemplos práticos de empresas que podem optar pelo Lucro Presumido incluem prestadores de serviços, como consultorias, escritórios de advocacia, clínicas médicas e odontológicas, agências de publicidade, entre outros.

Também podem adotar esse regime empresas comerciais, como lojas de varejo, restaurantes, supermercados, distribuidoras, desde que atendam aos requisitos estabelecidos pela legislação fiscal.

Em geral, o Lucro Presumido é mais vantajoso para empresas com margens de lucro estáveis e elevadas, que não têm interesse ou capacidade de acompanhar o lucro real de forma detalhada.

Lucro real: O que é e como funciona?

O Lucro Real é outro regime tributário utilizado por empresas para o cálculo e recolhimento de impostos, como o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Porém, diferentemente do Lucro Presumido, no Lucro Real, a tributação é calculada com base no lucro líquido apurado pela empresa em suas atividades comerciais durante determinado período contábil.

No Lucro Real, a empresa precisa manter uma contabilidade organizada e detalhada, registrando todas as suas receitas, despesas, custos e investimentos.

O lucro líquido é então calculado a partir desses registros contábeis, considerando todos os ganhos e perdas efetivamente realizados pela empresa. Essa apuração mais precisa do lucro real permite uma tributação mais justa e adequada à realidade econômica da empresa.

Uma das principais vantagens do Lucro Real é a sua precisão e adequação à realidade financeira da empresa. Como a tributação é calculada com base no lucro líquido efetivamente obtido, há uma maior correspondência entre o imposto devido e a capacidade contributiva da empresa.

Nessa mesma perspectiva, no Lucro Real, é possível aproveitar todos os créditos fiscais disponíveis, o que pode resultar em uma redução da carga tributária em determinadas situações.

Por outro lado, o Lucro Real também implica uma maior complexidade e custo administrativo para a empresa. O acompanhamento contábil detalhado requer uma estrutura organizacional mais robusta e o suporte de profissionais qualificados, como contadores e auditores.

Finalmente, como a tributação é calculada com base no lucro real, a empresa pode ter uma carga tributária maior em períodos de baixa lucratividade ou prejuízo.

Lucro Real na prática: Quando escolher?

Como você já sabe, o regime tributário do lucro real é uma modalidade que se destina a empresas que desejam ter uma apuração mais precisa de seus resultados financeiros, considerando todas as receitas e despesas de forma efetiva.

Diferentemente do lucro presumido, no qual a tributação é calculada com base em uma estimativa da lucratividade da empresa, o lucro real requer que o imposto devido seja calculado sobre o lucro líquido apurado após a dedução de todas as despesas operacionais, inclusive os tributos.

Normalmente, o regime tributário do lucro real é utilizado em negócios mais expressivos; como:

  • Indústrias
  • Empresas de grande porte
  • Multinacionais
  • Instituições financeiras
  • Companhias com atividades sazonais ou com variações significativas na lucratividade ao longo do ano
  • Empresas que tenham benefícios fiscais ou que se enquadrem em situações específicas previstas pela legislação tributária.

Lucro presumido vs. Lucro real: Vantagens e desvantagens

A escolha entre os regimes tributários do lucro presumido e do lucro real é uma decisão estratégica importante para as empresas, pois afeta diretamente sua carga tributária e sua forma de apuração de impostos.

Cada regime possui vantagens e desvantagens que devem ser cuidadosamente consideradas antes da tomada de decisão.

Para deixar tudo mais prático, vamos mostrar abaixo as principais vantagens e desvantagens de ambas as modalidades de tributação:

Vantagens do Lucro Presumido

  • Simplicidade: O lucro presumido é caracterizado pela simplicidade em sua apuração, uma vez que o imposto é calculado com base em uma porcentagem presumida do faturamento bruto da empresa, sem a necessidade de detalhamento das despesas.
  • Menor carga tributária: Em muitos casos, o lucro presumido pode resultar em uma carga tributária menor em comparação com o lucro real, especialmente para empresas com margens de lucro relativamente baixas.
  • Dispensa de contabilidade complexa: Como não exige a escrituração contábil completa, o lucro presumido reduz os custos relacionados à contabilidade, tornando-o mais acessível para empresas de menor porte.

Desvantagens do Lucro Presumido

  • Limitações na dedução de despesas: No lucro presumido, as despesas dedutíveis são limitadas, o que pode resultar em uma tributação maior em comparação com o lucro real, especialmente para empresas com uma alta proporção de despesas operacionais.
  • Incidência sobre o faturamento bruto: A tributação com base no faturamento bruto pode resultar em uma carga tributária desproporcional, especialmente para empresas com margens de lucro elevadas.
  • Restrições para compensação de prejuízos: No lucro presumido, os prejuízos fiscais não podem ser compensados em exercícios futuros, o que pode impactar negativamente empresas que enfrentam variações na lucratividade ao longo do tempo.

Vantagens do Lucro Real

  • Precisão na apuração: O lucro real permite uma apuração mais precisa dos resultados financeiros da empresa, uma vez que considera todas as receitas e despesas efetivas, possibilitando uma gestão mais estratégica dos impostos.
  • Maior flexibilidade na dedução de despesas: Ao contrário do lucro presumido, o lucro real permite a dedução de todas as despesas operacionais necessárias para a atividade da empresa, o que pode resultar em uma tributação menor.
  • Compensação de prejuízos fiscais: No lucro real, os prejuízos fiscais podem ser compensados em exercícios futuros, proporcionando uma maior flexibilidade financeira para empresas que enfrentam períodos de baixa lucratividade.

Desvantagens do Lucro Real

  • Complexidade contábil: O lucro real exige uma contabilidade mais complexa e detalhada, uma vez que todas as transações devem ser registradas e documentadas de acordo com as normas contábeis e fiscais.
  • Maior custo administrativo: Devido à necessidade de manter uma contabilidade mais detalhada e à obrigação de apresentar demonstrações financeiras auditadas, o lucro real pode gerar custos administrativos mais elevados.
  • Maior carga tributária em alguns casos: Embora o lucro real possa resultar em uma tributação menor em comparação com o lucro presumido em determinadas situações, em outras pode levar a uma carga tributária maior, especialmente para empresas com margens de lucro mais baixas.

Como escolher entre o lucro presumido e o lucro real?

A escolha entre os regimes tributários do lucro presumido e do lucro real é uma decisão crucial para os gestores, pois pode impactar significativamente a saúde financeira e a competitividade da empresa.

Para tomar uma decisão informada, os gestores devem considerar alguns pontos-chave:

Análise do perfil da empresa

Avalie o perfil operacional, financeiro e tributário da empresa para determinar qual regime se adequa melhor às suas características. Considere fatores como margens de lucro, volume de receitas e despesas, estrutura de custos e sazonalidade dos negócios.

Projeção de resultados

Realize projeções financeiras detalhadas para cada regime tributário, considerando diferentes cenários e variáveis. Analise como cada regime afetaria a carga tributária, a rentabilidade e a capacidade de reinvestimento da empresa a curto e longo prazo.

Consultoria especializada

Busque orientação de profissionais contábeis e tributários especializados para entender melhor as implicações de cada regime tributário e receber recomendações personalizadas com base nas necessidades específicas da empresa.

Avaliação de riscos e benefícios

Pondere os benefícios e as desvantagens de cada regime tributário em relação à complexidade contábil, custos administrativos, carga tributária, flexibilidade operacional e capacidade de planejamento tributário.

Planejamento tributário estratégico

Desenvolva um plano tributário estratégico que leve em consideração não apenas a escolha entre lucro presumido e lucro real, mas também outras opções de regimes tributários e possíveis incentivos fiscais. Mantenha-se atualizado sobre as mudanças na legislação tributária que possam impactar a decisão.

Reavaliação periódica

Esteja preparado para reavaliar a escolha do regime tributário periodicamente, especialmente diante de mudanças nas circunstâncias da empresa, na legislação fiscal ou no ambiente econômico. A flexibilidade e a adaptabilidade são essenciais para garantir uma gestão tributária eficaz ao longo do tempo.

Ao considerar esses aspectos e realizar uma análise cuidadosa, os gestores podem tomar uma decisão informada e estratégica sobre qual regime tributário – lucro presumido ou lucro real – é mais adequado para sua empresa, garantindo uma gestão tributária eficiente e otimizada.

  • Fique de olho no blog da Genyo para conferir mais guias sobre gestão de negócios, recursos humanos e benefícios trabalhistas! Assine também o nosso newsletter.

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

Compartilhe este artigo

Consentimento de Cookies

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Ao continuar navegando, você declara ciência dos: Termos de Uso, Políticas de Privacidade e Cookies.

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog