Gestão de EPI: O que é e como fazer?

Para um melhor uso do EPI, é necessário que a empresa tenha uma efetiva gestão de EPI. Entenda neste artigo como colocar isso em prática. Veja mais neste artigo!
Sumário
Gestão de EPI

Fornecer, monitorar, controlar e informar: essas são as quatro diretrizes para a gestão de Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Fazer a gestão de EPI no dia a dia não é tão simples, principalmente quando se trata de garantir a segurança dos funcionários, bem como seu conforto e comprometimento a longo prazo.

Isso porque, os gestores têm responsabilidades legais em termos de prevenção para garantir um local de trabalho seguro e saudável para seus funcionários. O gerenciamento de EPIs é parte essencial da prevenção de riscos ocupacionais.

O gerenciamento abrangente de EPI é um processo de negócios frequentemente negligenciado – com itens críticos de segurança simplesmente aceitos como uma necessidade, dada pouca atenção a como o gerenciamento deste equipamento pode estar custando bastante dinheiro.

O que envolve a gestão de EPI? Quais são os pré-requisitos necessários? Descubra todas as respostas neste artigo. Essas e outras perguntas serão respondidas neste artigo que o Genyo preparou para você.

O que é EPI?

O equipamento de proteção individual (EPI) é uma roupa de proteção, capacetes, óculos de proteção ou outras roupas ou equipamentos projetados para proteger o corpo do usuário contra lesões ou infecções. Os perigos evitados pelos equipamentos de proteção incluem físicos, elétricos, calor, produtos químicos, riscos biológicos e material particulado transportado pelo ar, sendo muito importante para evitar acidentes de trabalho.

O equipamento de proteção pode ser usado para fins de segurança e saúde ocupacional relacionados ao trabalho, bem como para esportes e outras atividades recreativas. Roupas de proteção são aplicadas a categorias tradicionais de roupas, e equipamentos de proteção se aplicam a itens como almofadas, protetores, escudos ou máscaras e outros.

O objetivo do equipamento de proteção individual é reduzir a exposição dos funcionários a riscos quando os controles de engenharia e os controles administrativos não são viáveis ​​ou eficazes para reduzir esses riscos a níveis aceitáveis. O EPI é necessário quando há perigos presentes. O EPI tem a séria limitação de não eliminar o perigo na fonte e pode resultar na exposição dos funcionários ao perigo se o equipamento falhar.

As práticas de segurança e saúde ocupacional podem utilizar controles de riscos e intervenções para mitigar os riscos no local de trabalho, que representam uma ameaça à segurança e à qualidade de vida dos trabalhadores. A hierarquia de controles de perigo fornece uma estrutura de política que classifica os tipos de controles de perigo em termos de redução de risco absoluto. No topo da hierarquia estão a eliminação e a substituição, que removem totalmente o perigo ou substituem o perigo por uma alternativa mais segura.

Se as medidas de eliminação ou substituição não puderem ser aplicadas, controles de engenharia e controles administrativos – que buscam projetar mecanismos mais seguros e treinar um comportamento humano mais seguro – são implementados. Os equipamentos de proteção individual ocupam o último lugar na hierarquia de controles, pois os trabalhadores estão regularmente expostos ao perigo, com uma barreira de proteção. A hierarquia de controles é importante para reconhecer que, embora o equipamento de proteção individual tenha uma enorme utilidade, não é o mecanismo de controle desejado em termos de segurança do trabalhador.

O que é gestão de EPI?

A gestão de EPI é o gerenciamento do uso dos equipamentos de proteção individual. A Norma Regulamentadora 6 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) estabelece que é  obrigação das empresas fornecer os EPIs, além de determinar os padrões de cada tipo de equipamento.

É essencial que os empregadores identifiquem os perigos, avaliem e controlem os riscos no local de trabalho. Por isso é importante a gestão de EPI, onde se tem a documentação de identificação de perigos e avaliação de riscos que ajuda os gestores a fornecerem às suas equipes o EPI adequado.

O empregador também tem outras obrigações em matéria de gestão de EPI, tais como fornecer o EPI adequado, de individual e gratuita; verificar a adequação do EPI às atividades por meio de análise de risco; assegurar o uso adequado do EPI; verificar a conformidade regulatória do EPI solicitado; manter informados e atualizados os trabalhadores responsáveis ​​pela gestão de EPI; assegurar a higiene, bom estado e manutenção do EPI; informar os funcionários sobre a disponibilidade, instruções e abrangência das ações do EPI; treine os usuários para usar EPI.

A gestão de EPI é um processo que deve ser rigoroso para ser eficaz. Esta gestão deve ser realizada em estreita colaboração com o pessoal operacional, que utiliza diariamente estes equipamentos.

Quais os tipos de EPI?

Os tipos de EPI variam de acordo com o tipo de atividade que está sendo desenvolvida, os riscos que se pretende diminuir e as partes do corpo que eles visam proteger. Vamos conhecer alguns deles.

Proteção respiratória

Este tipo de EPI é projetado para proteger o usuário individual de várias substâncias perigosas em seu local de trabalho. Como exemplos de equipamento respiratório temos os que filtram o ar contaminado ou limpa-o antes de ser inalado e aqueles que fornecem ar limpo de uma fonte independente.

EPI respiratórios podem ser necessários para trabalhar com grandes quantidades de gases, vapores, poeiras, pós, soldagem, além de uso de moedores, cortadores e serras.

As máscaras faciais contam com uma boa vedação contra o rosto, se houver lacunas na máscara facial, ar, poeira, gases e vapores contaminados podem ser inalados para os pulmões. Por esta razão, é muito importante que a sua máscara se ajuste bem e seja usada corretamente sempre que a usar.

Proteção Auditiva

Este tipo de EPI podem ser protetores de ouvido que cobrem completamente a orelha, tampões de ouvido que são inseridos no canal auditivo ou enxertos que cobrem a entrada do canal auditivo.

Proteção de cabeça

Existem três tipos amplamente utilizados de proteção para a cabeça: capacetes de segurança industrial projetados para proteger contra queda de materiais de altura ou objetos oscilantes, protetores de couro cabeludo industriais que são projetados para proteger contra batidas contra objetos estacionários e toucas ou redes para o cabelo que protegem contra emaranhamento.

Algumas das tarefas em que a proteção da cabeça pode ser necessária incluem construção, reparo de edifícios, trabalho em escavações ou túneis, trabalho com ferramentas de cravação de parafuso, entre outras.

Proteção Visual

Existem vários tipos de proteção ocular, tais como: óculos de segurança, que são semelhantes aos óculos comuns, mas com lentes mais resistentes, podendo incluir protetores laterais para proteção adicional; protetor ocular: uma lente moldada de peça única sem armação frequentemente usada sobre óculos graduados; óculos de segurança: são feitos de armação de plástico flexível e uma faixa de cabeça elástica; e protetores faciais: mais pesados ​​e volumosos do que outros tipos de proteção ocular, os protetores faciais protegem o rosto, mas não cobrem totalmente os olhos, portanto, não protegem contra poeira, gases, vapores e névoas.

Tarefas em que a proteção ocular pode ser usada incluem, manuseio de substâncias perigosas onde há risco de respingos, trabalhar com ferramentas acionadas por energia onde os materiais podem ser arremessados, operações de soldagem, trabalho com laser, usando gás ou vapor sob pressão, entre outros.

Proteção dos Pés

Existem vários tipos de calçados de segurança. Podem ser botas ou sapatos de segurança, normalmente com biqueiras de aço, mas podem ter outras características de segurança, como, solas antiderrapantes e isolamento contra o calor e o frio. Ou até mesmo, calçado antiestático e condutivo, protege contra eletricidade estática.

Atividades onde é necessário proteger os pés incluem construção, demolição, reparação de edifícios, locais onde há risco de objetos pesados ​​cair sobre os pés, trabalhos em ambientes extremamente quentes ou frios e trabalhos com produtos químicos e silvicultura.

Onde houver risco de escorregamento que não possa ser evitado ou controlado por outras medidas, deve-se prestar atenção às solas antiderrapantes e substituí-las antes de caminhar sobre o piso.

Proteção para os braços e mãos

A proteção de mãos e braços geralmente são lucas ou manoplas, que podem ser de couro, látex, cota de malha, etc.

Tarefas onde a proteção de mãos e braços podem ser necessárias incluem manuseio de objetos abrasivos, cortantes ou pontiagudos, trabalho com equipamentos vibratórios, como furadeiras e motosserras, construção e trabalho ao ar livre, trabalho com produtos químicos e substâncias perigosas e trabalho em temperaturas quentes ou frias.

Proteção do Corpo

Tipos de proteção corporal incluem macacões, aventais, roupas para calor, frio ou mau tempo, roupas de proteção contra máquinas, roupas de alta visibilidade e coletes salva-vidas.

Alguns dos trabalhos em que a proteção do corpo pode ser necessária incluem trabalhar com substâncias perigosas, trabalhar próximo à rodovia ou áreas com transporte e veículos em movimento (por exemplo, canteiros de obras) e trabalhos ao ar livre, florestais e de manutenção do solo.

Como fazer a gestão de EPI?

Gestão de EPI

Veja abaixo como fazer a gestão de EPI da maneira correta!

Crie seu plano de gestão de EPI

Toda empresa deve realizar uma avaliação de perigos para determinar se as quatro primeiras hierarquias de controle podem eliminar os perigos. Se não puderem e a empresa precisar usar EPI, a avaliação ajudará você a determinar os tipos e a quantidade de EPI necessários para cada funcionário e tipo de trabalho.

O conteúdo exato do seu plano de gerenciamento de EPIs dependerá das necessidades da sua empresa. Algumas áreas comuns a serem cobertas incluem:

  • Declaração de propósito explicando por que o plano é necessário e como ele beneficiará a empresa
  • Uma seção descrevendo quem na empresa é responsável por cada parte do plano
  • Orientações para cada tipo de EPI que será utilizado em sua empresa
  • Diretrizes de treinamento
  • Listas de verificação de EPI que serão usadas para monitorar seu plano

Coloque seu plano de EPI em ação

O plano de gestão de EPI da sua empresa foi pesquisado, verificado e agora está pronto para ser usado. Essas próximas etapas incluem a compra de EPI e o treinamento dos funcionários sobre o uso adequado de EPI.

Ao avaliar os tipos e a quantidade de EPI necessários, considere como cada equipamento de segurança será usado e se há maneiras de usá-lo de mais de uma maneira. Muitos tipos de EPI podem ser aplicados para diferentes situações.

Para cada um de seus funcionários que deve usar EPI, você deve documentar e manter registros de seu treinamento. Depois que cada funcionário concluir o treinamento, você fornecerá a ele um certificado de conclusão que lista o nome do funcionário, a data do treinamento e o tipo de treinamento.

Implemente, observe e melhore

Você criou um plano de gerenciamento de EPI, fez suas primeiras compras e treinou seus funcionários. Agora é hora de implementar as melhores práticas e observar sua equipe com o objetivo de melhorar no futuro.

Se o EPI não se encaixar corretamente, não será eficaz na proteção do funcionário ou seu funcionário poderá não usar tudo. Reserve um tempo para medir cada funcionário para cada tipo de que eles precisam. Quando seu funcionário precisar usar vários tipos ao mesmo tempo, verifique se todos os EPIs são compatíveis entre si.

Use inspeções regulares para garantir que o estado do seu equipamento esteja excelente em todos os momentos.

Embora alguns funcionários possam ser cuidadosos em usar adequadamente o EPI, não se esqueça de que, por trás do comportamento, pode haver um equipamento dificultando ou incomodando o bom desempenho de seu trabalho. Lembre-se de auditar a praticidade e usabilidade do EPI

O EPI deve ser uma parte natural da cultura de segurança da sua empresa. Não apenas treine os funcionários o que fazer, comunique por que é importante. Mesmo que um funcionário nunca precise usar EPI, é importante que todos os funcionários entendam os procedimentos e a importância do EPI. A saúde e a segurança de uma empresa não devem depender apenas do comitê ou equipe de segurança, mas devem ser responsabilidade compartilhada de todos.

Além disso, assim como auditorias e inspeções são cruciais para outras áreas de segurança, é importante realizar inspeções regulares de seu EPI.

Conclusão

Como vocês podem ver, a gestão de EPI é um processo de longo prazo que requer a colaboração de todas as partes interessadas da empresa para alcançar a qualidade necessária.

O Genyo é um sistema de controle de ponto que possui inúmeras funções e facilidades, conheça mais!

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog

Consentimento de Cookies

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Ao continuar navegando, você declara ciência dos: Termos de Uso, Políticas de Privacidade e Cookies.