Conheça os erros mais comuns no Imposto de Renda

Evite cair na malha fina! Descubra os erros mais comuns no imposto de renda e aprenda a preencher sua declaração corretamente. Veja mais neste artigo!
Sumário
erros mais comuns no imposto de renda

O envio da Declaração Anual de Imposto de Renda da Pessoa Física (DIRPF) é um dos principais compromissos financeiros dos brasileiros.

Nesse sentido, surge a dúvida: afinal de contas, quais são os erros mais comuns no Imposto de Renda? E, ainda mais importante: como evitar essas falhas na hora de preencher a declaração?

De antemão, podemos dizer que um erro no seu preenchimento pode resultar em consequências desagradáveis ao contribuinte, como cair na malha fina da Receita Federal.

A omissão de rendimentos, inconsistências nos comprovantes e cálculos da dedução de Imposto de Renda (IR) estão entre os principais erros cometidos.

Com isso em mente, confira abaixo tudo que você precisa saber sobre os principais erros no Imposto de Renda, e entenda como preencher o IRPF corretamente.

Quem tem que declarar Imposto de Renda em 2024?

Em primeiro lugar, antes de mostrarmos as melhores dicas para evitar erros no Imposto de Renda, devemos lembrar quem é obrigado a pagar o IR em 2024.

Neste ano, vale lembrar, o período de declaração do Imposto de Renda começou em março, e chega ao fim no dia 31 de maio.

De acordo com a atualização da tabela da Receita Federal, estes são os critérios atuais para a declaração de Imposto de Renda:

  • Recebimento de renda tributável superior a R$ 30.639,90 em 2023, proveniente de salários, aposentadorias, aluguéis, etc.
  • Ganho de rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados na fonte que ultrapasse R$ 200 mil em 2023, como indenizações trabalhistas, rendimentos de poupança ou distribuição de lucros.
  • Realização de ganho com a venda de bens ou direitos.
  • Compra ou venda de ações na Bolsa de Valores com soma superior a R$ 40 mil em 2023, ou obtenção de ganhos sujeitos à incidência de imposto.
  • Recebimento de mais de R$ 153.199,50 em atividade rural em 2023 ou ter prejuízo rural a ser compensado.
  • Posse de bens cuja soma ultrapasse R$ 800 mil.
  • Mudança para o Brasil em qualquer mês de 2023 e permanência até 31 de dezembro do mesmo ano.

Erros mais comuns no Imposto de Renda: Perder o prazo da declaração

Não declarar o Imposto de Renda em tempo hábil, definitivamente, é um dos erros mais comuns no Imposto de Renda.

Afinal, o atraso ou o não envio da declaração pode gerar uma pendência no CPF do investidor, resultando em multa por atraso.

A obrigatoriedade na declaração do Imposto de Renda deve ser cumprida dentro do prazo estabelecido pela Receita Federal, que é o dia 31 de maio em 2024.

A declaração de Imposto de Renda é obrigatória para pessoas físicas que se enquadram em determinados critérios estabelecidos pela Receita Federal. Listamos todos estes critérios no item acima.

É fundamental estar atento ao prazo da declaração, para evitar a aplicação de multa pelo atraso no envio.

A multa por atraso no pagamento do imposto varia de acordo com o tempo de atraso e pode chegar a 20% do valor do imposto devido. O valor mínimo da multa é de R$ 165,74.

Para evitar a aplicação de multa por atraso e garantir o cumprimento das obrigações fiscais, é importante se organizar e reunir todos os documentos necessários para a declaração de Imposto de Renda com antecedência.

Erros mais comuns no Imposto de Renda: Omissão de rendimentos

A omissão de rendimentos também é um erro bastante frequente na declaração do Imposto de Renda.

Muitas vezes, os contribuintes informam valores e quantidades de renda diferentes dos que foram fornecidos pelas fontes pagadoras, seja por descuido ou falta de conhecimento.

No entanto, é importante destacar que o cruzamento de informações feito pela Receita Federal está cada vez mais aperfeiçoado, sendo capaz de detectar até mesmo pequenas divergências nos valores ou na fonte pagadora.

Para evitar problemas com a Receita Federal, é fundamental que o contribuinte esteja atento ao detalhamento de seus rendimentos na declaração de Imposto de Renda.

É necessário informar todas as fontes de renda tributável, mesmo que não intencionalmente omitidas. Dessa forma, é possível evitar problemas futuros como a inclusão em malha fina e a cobrança de multas e juros.

Ao preencher sua declaração, verifique cuidadosamente todas as fontes pagadoras, como empregadores, instituições financeiras e outras empresas.

Tenha todos os comprovantes de rendimentos em mãos e faça uma análise minuciosa para garantir que nenhum valor seja omitido.

Consequências da omissão de rendimentos:
Multa por omissão de rendimentos na DIRPF
Inclusão em malha fina da Receita Federal
Cobrança de multas, juros e atualizações monetárias

Portanto, não deixe de informar corretamente todos os seus rendimentos na declaração de Imposto de Renda. Ao fazer isso, você estará cumprindo com suas obrigações fiscais e evitando problemas futuros com o Fisco.

Deduções indevidas e erros nos comprovantes

Quando se trata de realizar a declaração do Imposto de Renda, é importante estar atento às deduções permitidas e aos comprovantes de gastos que devem ser corretamente comprovados.

Alguns gastos na rotina do contribuinte podem ser dedutíveis da alíquota do Imposto de Renda, proporcionando um alívio fiscal significativo.

Entretanto, é fundamental ter cuidado para não cometer erros nesse processo.

Para garantir que as despesas sejam devidamente dedutíveis, o melhor caminho é ter os comprovantes necessários em mãos.

Documentos como recibos médicos, despesas com educação e gastos em previdência complementar podem ser utilizados para abater o valor do imposto a pagar.

Também é imprescindível que esses comprovantes estejam de acordo com as normas estabelecidas pela Receita Federal.

Esquecer de pagar o IR todo mês

Quando se trata de operações na bolsa de valores, é extremamente importante lembrar que o imposto de renda não é totalmente retido pela corretora.

Muitas pessoas confundem o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) com o Imposto de Renda (IR), mas eles têm diferenças importantes.

Se você realizou operações na bolsa de valores e obteve lucro, é necessário recolher o imposto sobre o lucro por meio da emissão do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF).

O pagamento mensal do IR é uma responsabilidade do investidor e deve ser realizado até o último dia útil do mês seguinte à operação.

Portanto, é importante estar atento aos prazos e realizar o pagamento mensal do IR corretamente.

Essa é uma maneira de garantir que você esteja em dia com suas obrigações fiscais e evite problemas futuros com a Receita Federal.

Errar na conta dos ganhos e perdas do trade

Uma questão comum entre os investidores é o erro na hora de calcular os ganhos e perdas em operações de renda variável.

Muitas vezes, os prejuízos na bolsa de valores não são utilizados de forma correta para reduzir o valor de imposto a ser pago.

Vale lembrar que quando se perde dinheiro em um investimento de renda variável, é possível descontá-lo quando obtiver lucro.

Essa estratégia permite o desconto de prejuízos no IR, ajudando a diminuir a carga tributária e aumentando o retorno líquido dos investimentos.

Para garantir o cálculo correto dos ganhos e perdas do trade, é recomendado levar em consideração todos os ativos envolvidos, as datas de compra e venda, os valores negociados e as taxas cobradas pelas corretoras.

Além disso, é fundamental manter um registro organizado de todas as operações e acompanhar periodicamente os resultados obtidos.

Quando você obtém lucro: Quando você tem prejuízo:
Calcule o valor do imposto a ser pago sobre o lucro líquido. Utilize o prejuízo para abater do valor do lucro obtido em operações futuras antes de calcular o imposto.
Informe o rendimento e o imposto devido na sua declaração de IR. Nesse caso, você não terá imposto devido, mas é importante informar o prejuízo na declaração para utilizá-lo como crédito em operações futuras.

Não deixe de contar com a orientação de um contador especializado para evitar erros que possam gerar problemas futuros com a Receita Federal.

Erros mais comuns no Imposto de Renda: Esquecer de calcular as ações

No panorama dos investimentos em renda variável, os investidores devem ficar atentos ao cálculo das ações.

Afinal de contas, o preço médio das ações é um dado relevante para preencher corretamente a declaração de Imposto de Renda.

Ao realizar operações de compra e venda de ações, é necessário calcular o preço médio de aquisição, levando em consideração eventuais bonificações e desdobramentos que possam ter ocorrido ao longo do período.

Para calcular o preço médio das ações, é preciso somar o valor total gasto na compra das ações e dividir pelo número de ações adquiridas.

Esse cálculo é importante para determinar a rentabilidade das operações e também para declarar corretamente os ganhos ou perdas na declaração de Imposto de Renda.

Da mesma forma, torna-se instrumental registrar cuidadosamente todas as operações realizadas, incluindo as bonificações e desdobramentos.

Essas informações serão necessárias para o preenchimento do Imposto de Renda e para garantir a conformidade com as obrigações fiscais.

Não lembrar dos custos operacionais

Pequenos detalhes, como erros de digitação, ou um simples esquecimento, podem resultar na cobrança de mais imposto do que se deve.

Quando você esquece de inserir informações como custo de corretagem, dentre outras taxas, o cálculo será feito sobre o valor bruto, quando deveria ser sobre o lucro líquido.

Nesse sentido, o cálculo incorreto do imposto pode gerar prejuízos financeiros desnecessários.

É fundamental sempre lembrar de incluir os custos operacionais na bolsa de valores ao realizar o cálculo do imposto, garantindo que o valor seja baseado no lucro líquido e não no valor bruto da operação.

Deixar a declaração de IR para a última hora

Ao enviar a sua declaração com calma, você reduz as chances de irregularidades, erros de preenchimento e informações incompletas.

É fundamental evitar adiar o envio e deixar para a última hora, pois isso pode resultar em atropelos e descuidos que comprometem a precisão dos dados fornecidos.

Além disso, quem se antecipa e faz o envio antecipado da DIRPF tem a possibilidade de receber a restituição nos primeiros lotes, caso tenha direito a ela.

Isso significa que, ao não procrastinar, você pode receber o valor devido mais cedo, contribuindo para uma melhor organização financeira e evitando atrasos em planos e pagamentos que dependam dessa restituição.

Esquecer de verificar a situação da declaração de IR

A entrega da sua declaração de Imposto de Renda (IR) na plataforma da Receita Federal é apenas o primeiro passo. 

É fundamental também verificar a situação da sua declaração, avaliar o parecer emitido pela Receita e ficar atento a possíveis pendências fiscais.

Ao verificar o parecer da sua Declaração de Imposto de Renda, você tem a oportunidade de identificar se a Receita Federal identificou algum problema ou pendência em sua declaração.

Assim, você pode tomar as medidas necessárias para resolver essas questões a tempo, evitando contratempos futuros.

Caso seja identificada alguma pendência fiscal, você poderá entregar novos documentos solicitados, contestar o laudo final ou até mesmo parcelar pagamentos, caso haja dívida.

Isso garante que você esteja em dia com suas obrigações fiscais e evita o acúmulo de juros e multas.

Portanto, não se esqueça de verificar a situação da sua declaração de IR regularmente. Dessa forma, você se mantém em conformidade com a Receita Federal, evitando problemas futuros e mantendo sua vida financeira em ordem.

Calendário Imposto de Renda 2024 – Cronograma completo

Por fim, agora que você já conhece alguns dos erros mais comuns no Imposto de Renda, é hora de conferir o calendário oficial da Receita Federal para evitar que a sua declaração seja retida na Malha Fina.

Como citamos anteriormente, o período de entrega da Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física começou no dia 15 de março, e termina em 31 de maio.

De acordo com dados oficiais, a Receita Federal espera receber 43 milhões de declarações de Imposto de Renda em 2024. O número, nesse sentido, deve superar o do ano passado, que terminou em 41,1 milhões.

Além disso, em 2024, aproximadamente 17,2 milhões de contribuintes devem declarar o IR por meio da declaração pré-preenchida, um modelo bem mais prático que, ao mesmo tempo, garante acesso antecipado às restituições.

Falando nisso, a Receita Federal também divulgou o calendário completo de restituições. Em 2024, a restituição do IR começa a ser paga em 31 de maio.

Veja abaixo o calendário de restituição do Imposto de Renda 2024

  • Primeiro lote: 31 de maio;
  • Segundo lote: 28 de junho;
  • Terceiro lote: 31 de julho;
  • Quarto lote: 30 de agosto;
  • Quinto lote: 30 de setembro.

A distribuição das restituições de IR segue a ordem de prioridade estabelecida pelo Governo Federal.

Confira abaixo quem pode receber os pagamentos primeiro:

  • Idosos com idade igual ou superior a 80 anos;
  • Idosos com idade igual ou superior a 60 anos;
  • Pessoas com Deficiência e Portadores de Moléstias Graves;
  • Contribuintes que têm o magistério como fonte principal de renda;
  • Contribuintes que utilizaram a declaração pré-preenchida e/ou optaram pelo pagamento de restituição via Pix;
  • Todos os demais contribuintes.

Continue acompanhando o blog da Genyo para receber em primeira mão as últimas atualizações sobre o Imposto de Renda 2024!

FAQ

Quais os erros mais comuns no Imposto de Renda?

Os erros mais comuns no Imposto de Renda incluem a omissão de rendimentos, inconsistências nos comprovantes e cálculos de dedução de IR, deduções indevidas, erros nos comprovantes, entre outros.

O que acontece se eu perder o prazo da declaração?

Se você perder o prazo da declaração do Imposto de Renda, poderá ser multado pela Receita Federal. A multa por atraso varia de acordo com o tempo de atraso e pode chegar a 20% do imposto devido, com valor mínimo de R$ 165,74.

Quais as consequências da omissão de rendimentos na declaração?

Ao omitir rendimentos na declaração de Imposto de Renda, você pode cair na malha fina da Receita Federal. O cruzamento de informações feito pelo órgão consegue detectar inconsistências nos valores e nas fontes pagadoras.

Como faço para pagar o Imposto de Renda retido na fonte?

Caso você tenha realizado operações na bolsa de valores, é necessário recolher o imposto sobre o lucro por meio da emissão de DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) até o último dia útil do mês seguinte à operação.

Posso utilizar prejuízos para reduzir o valor do imposto a ser pago?

Sim, investidores em renda variável podem utilizar prejuízos para reduzir o valor do Imposto de Renda a ser pago.

Como calcular corretamente as ações na declaração de Imposto de Renda?

Para preencher corretamente a declaração de Imposto de Renda em relação às ações, é necessário registrar e calcular o preço médio das ações. Também é importante considerar bonificações e desdobramentos das ações para evitar erros no cálculo.

Por que é importante verificar a situação da declaração de Imposto de Renda?

É importante verificar a situação da declaração de Imposto de Renda para acompanhar as pendências fiscais. Dessa forma, se houver alguma irregularidade ou avaliação da Receita Federal, o contribuinte poderá entregar novos documentos, contestar o laudo final ou até mesmo parcelar pagamentos para evitar juros em caso de dívida.

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

Compartilhe este artigo

Consentimento de Cookies

Nosso site usa cookies para melhorar a navegação. Ao continuar navegando, você declara ciência dos: Termos de Uso, Políticas de Privacidade e Cookies.

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog