Competência socioemocional: o que é? Como desenvolvê-las

A competência socioemocional é uma habilidade gerada a partir da inteligência emocional desenvolvida desde a infância. Entenda sobre! Veja mais neste artigo!
Sumário
competência socioemocional

A construção da competência socioemocional tem sido destacada em estudos por conta da sua relação com a qualidade do desenvolvimento e habilidades de inserção social e emocional, que crianças, adolescentes e, consequentemente, adultos. Devido à alta competitividade do mercado, as competências emocionais têm sido cada vez mais exigidas.

Além da qualificação e capacitação acadêmica, as habilidades não cognitivas são imprescindíveis para um bom comportamento no ambiente de trabalho, e uma boa relação para com colegas de trabalho e chefes. Para saber mais sobre essas competências e como desenvolvê-las, confira este artigo, que o Genyo preparou para você, na íntegra!

O que são as competências socioemocionais?

As habilidades não cognitivas são habilidades que compreendem uma série de categorias tal como  atitudes, crenças, qualidades emocionais e traços de personalidade. Essas são categorias que, quando atreladas compreendem a construção da competência socioemocional.

Para uma melhor compreensão do conceito de competência emocional, se faz necessário entender no que consiste a inteligência emocional. Este é um conceito da psicologia utilizado para designar a capacidade que os seres humanos possuem de lidar com emoções.

Para administrar as emoções e adquirir a “inteligência emocional” é preciso que haja equilíbrio entre os sentimentos e essas emoções. Nesse caso, muitos pesquisadores pressupõem que a inteligência emocional se caracteriza como uma habilidade cognitiva associada à inteligência, no geral, e que reúne quatro habilidades diferentes:

  • A percepção da emoção: esta é uma das capacidades de perceber as emoções em si mesmo, e nas pessoas que estão ao redor;
  • A facilitação emocional: no que condiz a capacidade das emoções para ajudar a sinalizar mudanças importantes, como a de humor, o que auxilia os indivíduos a identificar a situação de várias maneiras diferentes e contribuir para diferentes tipos de raciocínio;
  • A compreensão das emoções: para além da identificação das emoções é necessário conhecê-las. O conhecimento das emoções e do vocabulário emocional contribuem para a criação de novas emoções;
  • O gerenciamento de emoções: esta é a capacidade de gerenciar suas próprias emoções e das pessoas ao redor, em vista disso trata-se essencial para o convívio em sociedade.

Entendendo esse complexo, é necessário observar que essas habilidades tratam-se de processos psicológicos básicos, fundamentais para o desenvolvimento das competências socioemocionais e para o desenvolvimento intelectual. Em linhas gerais, trata-se da capacidade de pensar, sentir, tomar decisões e agir.

No entanto, estão diretamente relacionadas com a experiência pessoal, a história e o instinto de cada indivíduo. Por isso, usualmente, aquilo que acontece durante a infância e adolescência dos indivíduos têm uma participação significativa na dinâmica interpessoal dos indivíduos, na vida adulta, o que consequentemente influi na vida profissional.

Principais competências socioemocionais

Existem algumas competências socioemocionais que são mais conhecidas, confira algumas a seguir.

Empatia

A empatia é uma habilidade muito importante para a sociedade e dentro do mercado de trabalho. Essa é uma das competências socioemocionais muito requisitadas devido a sua possibilidade para criação e estreitamento de laços e criação de vínculos entre pessoas.

Responsabilidade

A competência da responsabilidade faz parte das habilidades de autogestão. Ela envolve não apenas determinação, mas foco, persistência e senso de comprometimento. Dessa forma, é uma habilidade que se relaciona diretamente com a atividade e a gestão dos compromissos, garantindo objetivos claros e a realização das atividades de maneira ética.

Portanto, é fundamental que profissionais possuam uma postura de compromisso em relação às suas tarefas e deveres. Assim, tendem a cumprir a parte que lhe cabe no trabalho, assumindo falhas e acertos.

Liderança

A liderança é uma competência socioemocional muito importante para gestores, porém não apenas para eles, mas para aqueles profissionais que desejam uma carreira de prestígio. Como parte da capacidade de inspirar subordinados e motivar demais colaboradores, a liderança é uma característica peculiar muito requisitada.

Criatividade

A capacidade de desenvolver ideias, projetos e criações inovadoras é essencial para áreas que envolvem essas habilidades. O profissional que possui essas habilidades possuem a capacidade de estarem abertos a novas tendências culturais e intelectuais, por estarem constantemente abertos à novidade.

Esta é uma das competências socioemocionais que instigam o lado mais investigativo do colaborador, que tende a estar sempre aberto a novas estratégias e caminhos para realizar atividades e ultrapassar desafios cotidianos.

Por que é tão importante o desenvolvimento das competências emocionais?

Como visto anteriormente, as habilidades socioemocionais são imprescindíveis para uma boa sociabilidade. Em vista disso, a área de Recursos Humanos vêm compreendendo, cada vez mais, a importância dessas competências na busca de profissionais fez dessa capacidade um dos critérios básicos nos processos seletivos.

Dessa maneira, quando se trata de empresas que necessitam de profissionais para a área de inovação, ou criação de conteúdos, por exemplo, o processo seletivo será designado para profissionais com destaque para competências como criatividade e curiosidade.

Além disso, como já citado, o desenvolvimento das competências emocionais é imprescindível para um bom clima organizacional, assim como para garantir que o time esteja alinhado à cultura da empresa. Ou seja, é necessário garantir que estão sendo buscados colaboradores que cumpram os pilares da empresa, como também buscar desenvolver essas habilidades em seus funcionários.

Outrossim, pessoas com habilidades interpessoais contribuem para, não apenas nos momentos habituais de convivência na empresa, mas também para momentos de crise e conflitos. Dessa forma, tendem a ser perfis que não conflitem ainda mais em situações difíceis, mas contribuam para a resolução da situação.

Como desenvolver competências socioemocionais?

competência socioemocional

Infelizmente, nem todos os lares familiares possuem condições de desenvolver as melhores competências socioemocionais em seus filhos, o que influencia para que no futuro, existam profissionais sem todas essas competências.

Apesar disso, é preciso compreender que as competências socioemocionais são totalmente treinadas. É um processo de aprendizado e criação de hábitos, mas nada é impossível independente da idade. Esse aprendizado poderá promover momentos de comunicação ativa, melhorando a sinergia entre os colaboradores da equipe de trabalho.

Para isso, como mencionado lá no começo deste artigo é necessário um processo inicial de autoconhecimento. Dessa forma, é capaz de perceber seus hábitos viciosos que são prejudiciais para a convivência e o trabalho em grupo.

Trabalhando seu autoconhecimento, já é uma forma de dar o segundo passo: para a inteligência emocional. É preciso paciência para compreender que, apesar de parecer muito simples saber quem somos, essa na verdade trata-se de um processo muito complexo, e às vezes doloroso.

Desfazer hábitos que estão conosco por toda uma vida, mas que tem grande potencialidade de se tornar algo autodestrutivo é muito difícil. Reconhecer nossos pontos fortes e fracos, principalmente os fracos, não é algo simples.

Mas também é preciso entender que a vida é cíclica e que tudo é passível de mudança. A inteligência emocional é um conceito que trata justamente sobre a capacidade do indivíduo de lidar com as emoções, tanto da própria pessoa como dos outros. Existem alguns hábitos que contribuem para o seu desenvolvimento das suas competências socioemocionais.

Nesse processo, esteja em dia com o seu emocional, não negligencie suas emoções. Existem muitas situações capazes de nos deixar desconfortáveis, mas muitas vezes ao invés de compreender do que aquilo realmente se trata, evitamos o sentimento e fingimos que ele não está lá.

O problema está justamente aí: com o tempo, todo esse sentimento acumulado se transforma em irritação e faz de coisas, que poderiam ser mais simplesmente resolvidas, se tornarem bolas de neve, que podem atrapalhar seu dia e suas relações.

Para evitar problemas como esse, não cumule emoções. Sempre comunique com clareza o que é preciso e o que você está sentindo. Quando não souber, se pergunte: o que eu estou sentindo?; porque isso me incomoda?; o que eu gostaria que fosse diferente? Perguntas como essas podem contribuir para uma melhor compreensão.

Outro fator importante é investir nas relações pessoais. Construir relacionamentos saudáveis está diretamente relacionado à produtividade, assim como também contribui para o engajamento dos colaboradores da sua empresa, que contribuirão para o aumento de seus resultados.

O que também contribuirá para resultados é a autoconfiança, mas essa é uma das competências mais desafiadoras. Os pensamentos repetitivos de autocobrança, aliados com inseguranças de uma vida podem ser uma tamanha batalha a se combater. Infelizmente esses parecem que nunca irão embora, mas é possível reduzir a potência desses pensamentos.

A autoconfiança pode estar diretamente ligada à autodisciplina. Pessoas que acreditam em seu próprio potencial são proativas diante de conflitos, correm mais riscos e por isso desenvolvem mais a criatividade. Porém, podemos começar aos poucos. Comece fazendo, mesmo que inseguro, faça! E faça todos os dias, um pouquinho todos os dias tem uma imensa  potência.

E mesmo que tenha medo, vá com medo mesmo. Nenhum dos maiores empresários começou tendo plena certeza do que estava fazendo. Mas sempre terá pessoas no seu caminho que irão te orientar sobre se aquilo que você está fazendo está realmente certo.

Assim como na estrada da vida existem os amigos, nas empresas sempre há aquela pessoa em quem se espelhar. Tenha confiança e seja produtivo. Aliando isso à criação de laços, essa pode ser uma das pessoas a te ajudar na sua trilha profissional.

Qual o papel do RH para o desenvolvimento dessas competências?

O RH possui papéis muito importantes em duas etapas: na etapa do processo seletivo, diante da contratação de pessoas que precisam obter as qualidades requeridas pela empresa naquele momento; e após a contratação, perante o grupo de colaboradores da instituição, no auxílio de um maior desenvolvimento de habilidades nesses funcionários.

Para o processo seletivo, é necessário buscar por dinâmicas e atividades que demonstrem ‘aquelas’ habilidades necessárias no momento. Já durante a entrevista, faça as perguntas corretas. Nesse momento, é preciso ter certeza das respostas que precisa. E para ter as respostas certas, é preciso fazer as perguntas certas. Então, se pergunte, o que você quer obter de resultado deste processo seletivo?!

Já para o desenvolvimento das competências socioemocionais, existem treinamentos e incentivos específicos para cada habilidade. Confira algumas dicas a seguir!

Planos de Carreira

Uma das maiores motivações para um profissional é a percepção de crescimento dentro da empresa. Isso contribui para que ele queira melhorar constantemente e permaneça focado em seus objetivos.

Uma forma do RH contribuir é através da elaboração de planos de carreira personalizados, para cada funcionário comprometido. Dessa forma, é possível identificar o que esse colaborador busca para o seu futuro e alinhar para com os desejos e necessidades da empresa.

Práticas de bom comportamento

Uma das funções da área de Recursos Humanos é o mapeamento do perfil comportamental dos seus funcionários. Isso é algo inclusive muito recomendável para, de certo modo, prever comportamentos de risco desses profissionais.

É possível, através desses perfis, criar planos de desenvolvimento e treinamento para habilidades que ainda precisam ser melhor desenvolvidas. Essas informações também servirão como guia para que os líderes e gestores possam guiar seus subordinados pelos melhores caminhos profissionais.

Ofereça mentorias

O processo de mentoria é algo muito válido. É possível criar laços, maiores que aqueles apenas profissionais. A mentoria oferece para que o profissional, principalmente aquele que está no início da sua jornada de trabalho, se sinta confiante e amparado, para trilhar seu caminho na empresa.

É um passo muito importante para ajudá-los no desenvolvimento de habilidades e competências. Mesmo que não seja possível a implementação de uma mentoria individual, uma das formas de realizar esse trabalho de forma coletiva é através da promoção de encontros em grupo, voltados à promoção da mentalidade do desenvolvimento e evolução. Pode ser uma ótima oportunidade para os colaboradores tirarem dúvidas de uma forma mais confortável, além de ser um ótimo momento de aprendizado para todos.

Mantenha a cultura do feedback

O feedback é um guia importantíssimo. Através dele

Competências socioemocionais são as habilidades de inteligência emocional e como elas são capazes de se expressar para o mundo exterior.

o profissional pode perceber aquilo que está fazendo de positivo e aquilo que ainda pode melhorar. É uma maneira de mantê-los mais motivados e valorizados, e ao mesmo tempo uma ótima forma de ensinamento.

Sem o retorno adequado, sobre como estão indo no trabalho, os colaboradores sentem-se muito perdidos. Porém, a cultura do feedback permite que seja possível garantir a evolução profissional. Inclusive, esta é uma das atividades que pode ser crucial para o desenvolvimento de uma maior autoconfiança no mundo profissional.

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog