05 ago 2022

Geração millennials: quem são e como performam no mundo corporativo

geração millennials

O termo ”geração millennials” começou a ter grande relevância a partir do segundo semestre de 2021, após um tweet viralizar com a expressão. O motivo deste termo ter sido tão comentado é que ele não era muito utilizado, apesar de apresentar características de um grande grupo de pessoas.

Com a popularização do termo, várias pessoas começaram a explorar as implicações dos grupos conhecidos como “millennials”. Ou seja, foi feita uma análise sobre semelhanças e diferenças entre esse grupo, como gostos pessoais, posturas profissionais e experiências de vida. Para saber os resultados desse levantamento, confira o artigo a seguir na íntegra.

Quem faz parte da geração millennials?

A geração millennials é uma terminação utilizada para se referir às pessoas que nasceram entre os anos de 1981 a 1999. Na verdade, existem alguns pesquisadores que estudam a possibilidade de dividir este grupo entre millennials e geração Y. Isso porque entre os anos que compõem este grupo (1981 e 1999) ocorreram mudanças drásticas e extremamente significativas.

O principal fator que motivou essas mudanças foi o avanço da internet, que moldou o relacionamento das pessoas com o mundo. Por causa disso, existem diferenças gigantes entre quem nasceu em 1981 e quem nasceu no fim da década de 90. Apesar disso, é preciso salientar que alguns pesquisadores não aceitam essa divisão, e outros consideram que a partir de 1996, as pessoas já são consideradas como geração Z.

Como surgiu a divisão de grupos?

Dividir os seres humanos em grupos sempre foi um dos objetivos mais audaciosos do homem. Os humanos já foram e, até hoje, são separados em grupos, como: etnia, gênero, classe social, orientação sexual e agora, de acordo com o nascimento. Esse movimento é comum, pois é natural que as pessoas tenham curiosidade sobre as suas diferenças e como elas impactam seu cotidiano.

Assim, surgiu a ideia de que as experiências vividas por um grupo em um certo período de tempo, tendem a torná-los semelhantes. Realmente, não é muito difícil compreender esse pensamento: se a experiência molda o homem, experiências semelhantes moldam pessoas semelhantes. Porém, a dúvida era se ao mesmo tempo, pessoas originárias de diferentes partes do mundo teriam mais semelhanças ou diferenças.

Dessa forma, resolveu-se criar grupos para categorizar as pessoas de acordo com a data de nascimento. Hoje, existem os seguintes grupos:

  • Geração Baby Boomers: nascidos entre 1940 e 1960;
  • Geração X: nascidos entre 1960 e 1980;
  • Geração millennials: nascidos entre 1980 e 1999;
  • Geração Z: nascidos entre 1999 e 2010;
  • Geração Alpha: nascidos depois de 2010.

Quais as características mais comuns da geração millennials?

Ainda há muita desinformação sobre como o ano de nascimento de uma pessoa pode influenciar na sua personalidade. Diferentemente de ferramentas como astrologia, que analisam a influência de questões específicas durante o nascimento de cada pessoa, a divisão de grupos foca em experiências. Isso quer dizer que acontecimentos marcantes durante o crescimento dessas pessoas influenciam a forma como elas pensarão.

Por exemplo, a geração millennials sofreu bastante influência do uso da internet. Na verdade, essas são as últimas pessoas que ainda possuem lembrança do que era não ter acesso tão simples à conectividade online. Elas acompanharam de perto o avanço da internet e tiveram os primeiros acessos aos computadores residenciais. Por isso, algumas características comuns a esse grupo de pessoas é:

  • Bom entendimento de internet e tecnologia;
  • Se adaptam rapidamente a mudanças;
  • Valorizam a criatividade;
  • Têm facilidade com a comunicação;

Por que se fala tanto sobre a geração millennials?

Como dito anteriormente, o termo “geração millennials” foi popularizado através da internet, no twitter, então é compreensível que os usuários de internet comentem mais sobre o assunto. Considerando a idade de cada geração, é possível calcular que os millennials estão entre o fim dos 20 anos e início dos 40. Dessa forma, eles fazem parte de um dos grupos que está mais presente no mundo online, perdendo apenas para a geração Z.

Por causa disso, muitos usuários passaram a compartilhar as suas experiências e a se questionar como isso poderia estar interligado com outras pessoas. A partir disso, percebeu-se que certos acontecimentos como crises econômicas e melhor acesso à educação foram essenciais para transformar essas pessoas.

Essas duas questões (crises econômicas e educação) fizeram com que a geração millennials se tornasse a mais diferente de todas quanto ao lado profissional. Até a geração anterior à millennials, a geração X, era comum que os indivíduos tivessem pouca especialização e mantivessem o mesmo emprego durante toda a vida. Porém, o acesso à educação superior estimulou a geração millennials a entrar no mercado de trabalho quando estivessem mais velhos. O problema é que quando eles saíam das instituições de ensino,  educados e especializados, não havia espaço no mercado para eles devido às crises econômicas. Por isso, são necessárias algumas adaptações específicas para adaptar o mercado de trabalho clássico aos millennials.

A relação do mercado de trabalho com os millennials

A geração millenials foi uma das que mais viu o mercado de trabalho se modificar, principalmente no que concerne a questões tecnológicas. É  fato que as inovações influenciaram as demandas dos consumidores e, para atendê-las, era preciso profissionais especializados. Entretanto, a entrada dos millennials no mercado de trabalho foi complicada devido a falta de vagas e ofertas de emprego.

É preciso compreender também que, durante este período, as empresas precisaram focar os seus recursos em profissionais que, na época, eram mais relevantes. Assim, muitos millennials foram cortados das folhas de pagamento para que os grandes cargos continuassem sendo ocupados.

Por causa disso, tornou-se comum um comportamento bem específico: a ocupação de cargos durante períodos curtos à espera de melhores oportunidades. Ou seja, eles não se mantinham nas empresas tempo suficiente para conseguirem altos cargos e se tornarem líderes, por exemplo. Dessa forma, o modelo clássico de formação de carreira teve fim.

Depois dos anos de 2008 e 2009, eram raros os casos de profissionais que continuavam na mesma empresa por mais de 10 anos. Percebendo essa movimentação, as equipes de RH precisam se reinventar para explorar ferramentas corporativas como pipeline de liderança em contexto atualizado.

Como o RH adapta o sistema aos millennials?

É inegável que, hoje, os millennials compõem a maioria da mão de obra do mercado mundial. Para que os negócios continuem funcionando, foi preciso adaptar certas teorias comerciais para a necessidade deste grupo de pessoas.

As técnicas de plano de carreira, por exemplo, foram as que mais sofreram mudanças, uma vez que foi necessário explicar a importância de permanecer na empresa. Antigamente, como o mercado de trabalho era mais estável, não era preciso convencer o trabalhador que era benéfica a sua permanência na empresa. Depois das crises, os trabalhadores passaram a focar nos cargos que lhes propusessem maiores vantagens.

Para evitar perder profissionais qualificados para a concorrência e diminuir os gastos com turnover, agora as companhias focam em planos de carreira. Essa ferramenta ajuda o RH a  mostrar ao profissional que existe estabilidade na empresa e que a sua permanência trará bons resultados.

Além disso, grandes redes passaram a investir em tecnologia no local de trabalho, a fim de melhorar a qualidade dos resultados. Umas das maneiras mais utilizadas em negócios de sucesso para implementar a tecnologia é oferecer serviços como o controle de ponto eletrônico digital.

O Genyo é um dos maiores sistemas operacionais com foco em tecnologia de ponta para empresas de sucesso. Para saber mais sobre esses serviços, basta clicar aqui!

Como é o comportamento da geração millennials em grupo?

geração millennialsComo discutido anteriormente, a geração millennials possui a maior especialização de todo o mercado de trabalho. Por causa dessa especialização, os indivíduos desse grupo não possuíam tanta experiência corporativa ao trabalhar em equipe. Essa situação pode ser um grande problema em problemas que utilizam o trabalho em grupo como ferramenta de produção.

Para ultrapassar esses obstáculos, muitas empresas exploram o trabalho em grupo desde as primeiras fases de uma contratação. É comum encontrar processos seletivos que preferem testar os candidatos em atividades com foco em soluções de problemas de modo coletivo. Assim, os recrutadores conseguem perceber facilmente quais os profissionais que têm melhor performance em grupo.

O objetivo desta medida é encontrar profissionais talentosos que trarão resultados para a empresa, sem muitas despesas. Quando não se consegue encontrar um candidato com boas técnicas de comunicação interpessoal, é preciso fazer um trabalho mais individualizado com ele. No entanto, este processo é custoso e demanda tempo da empresa, o que não é interessante do ponto de vista econômico.

Houve mudança na forma como os millennials são contratados?

Sim! A geração millennials, além de ocupar cargos altamente específicos, também são o grupo com mais indivíduos em empresas multinacionais. Isso quer dizer que muitos profissionais acabam competindo por vagas com outras pessoas de várias partes do mundo.

Por conta disso, o processo de contratação precisou ser alterado, de forma que consiga alcançar todos os interessados. A primeira mudança foi a disponibilidade de realizar entrevistas de emprego através de plataformas online. Devido a essa possibilidade, as equipes de RH investiram em entrevistas que testassem a capacidade dos candidatos quanto a:

  • Conhecimento técnico;
  • Boa comunicação;
  • Interesse em aprimorar competências profissionais;
  • Capacidade de interação com tecnologias.

Foi exatamente por causa disso que tornou-se comum no Brasil considerar o inglês como idioma interessante para ter no currículo. Com o domínio da língua, o acesso a esse tipo de oportunidade era facilitado.

Como melhorar a performance da geração millennials profissionalmente?

Pode parecer assustador imaginar que um grande grupo de pessoas está enfrentando dificuldades para prosperar no mercado por conta de acontecimentos fora de seus controles. E, por isso, as redes têm o costume de selecionar apenas os candidatos já adaptados ao sistema. Porém, existem estratégias de negócios que podem ajudar as grandes empresas a melhorar a qualidade dos profissionais da geração millennial. Confira abaixo algumas das técnicas mais utilizadas para alcançar este objetivo:

Estimular a cultura colaborativa

A cultura colaborativa é uma maneira de auxiliar os colaboradores de uma empresa a enxergarem-se como parte da rede. Com isso, eles se sentem mais motivados a encontrar soluções para problemas internos e a entregar resultados de mais qualidade.

Não deixar o home office de lado

Uma boa ideia é utilizar uma das maiores características dos millennials a favor da produção deles. Como essa geração é altamente conectada com tecnologia é interessante tentar adaptar certas atividades para o home office. Dessa maneira, é possível flexibilizar um pouco a carga horária e também a rotina de trabalho, o que motiva os colaboradores.

Fazer bom uso de vantagens profissionais

Retomando a ideia de que os profissionais da geração millennials costumam procurar por cargos com as maiores vantagens, é interessante ter atenção a esse ponto. Por isso, indica-se o investimento em questões como vale-refeição, férias, plano de carreira, etc.

Favorecer o contato entre gerações

Assim como o mercado consumidor, o mercado de trabalho é composto pelas mais diversas gerações. Então, é interessante estimular os profissionais a trabalharem em conjunto com gerações tanto mais velhas, quanto mais novas. A variedade de experiência é perfeita para estimular a criatividade e obter um olhar único para problemas e projetos.

Investir em preparo corporativo

Para diminuir a grande diferença que há quanto ao conhecimento técnico e interpessoal entre a geração millennials, a empresa pode investir em treinamento corporativo. Isso pode ser realizado por intermédio de workshops e até de palestras para estimular o trabalho em equipe.

Conclusão

Assim como qualquer outra, a geração millennials possui as suas próprias individualidades. Apesar de ser vista com muita desconfiança pela sociedade, os profissionais desta geração possuem conhecimentos valiosos. Além de estarem atualizados e conectados a todo instante, a geração millennials sabe como se reinventar para crescer profissionalmente.

As empresas interessadas em trabalhar melhor com os profissionais da geração millennials devem:

  • Promover a interação dos millennials com outras gerações;
  • Criar bons planos de carreira;
  • Compreender as necessidades e desejos dos profissionais;
  • Investir em tecnologia de ponta.

Com essas medidas, é possível ultrapassar qualquer obstáculo que impeça os profissionais da geração millennials de alcançar o seu rendimento máximo.

Se você gostou deste conteúdo, não deixe de conferir outros artigos interessantes na página do Genyo. Para se manter conectado com as novidades do mundo corporativo e tecnológico, clique aqui e confira mais informações.

Seja o primeiro

Qual sua opinião sobre o assunto?

Seu email não será publicado ;)