Ergonomia no trabalho: o que é, tipos e como aplicar

Saiba porque a ergonomia no trabalho é tão importante para os seus funcionários e o sucesso do seu negócio! Clique aqui para conferir! Veja mais neste artigo!
Sumário
ergonomia-no-trabalho

Sabemos que os trabalhadores são uns dos principais responsáveis pelo sucesso de uma empresa. Com isso, nada mais justo que eles tenham a sua saúde física e mental preservadas dentro do ambiente de trabalho, o que gera a necessidade da organização implementar a ergonomia no trabalho aos seus funcionários.

Por outro lado, oferecer a ergonomia no ambiente de trabalho sempre foi bastante desafiador para a equipe de RH. Isso porque, em alguns casos, os próprios empregados menosprezam a sua importância e não executam as ações preventivas devidamente. E agora com o aumento do trabalho home office, esse desafio ficou ainda maior.

Em razão disso, o Genyo preparou esse material para trazer todas as informações pertinentes sobre a ergonomia no trabalho para que você implemente-a em sua empresa de forma simples e prática. Portanto, acompanhe-nos nessa leitura até o final para conferir!

O que é a ergonomia no trabalho?

A ergonomia no trabalho é caracterizada por uma área de estudo que objetiva desenvolver regras e ações, com o intuito de favorecer e preservar a saúde do empregado em seu ambiente de trabalho.

Desse modo, o principal objetivo da ergonomia é fazer com que as atividades executadas pelos colaboradores não gerem nenhum dano a sua saúde física e mental, como dorsalgias, lesões e transtornos mentais.

Para isso, ela fornece determinadas ações preventivas que devem ser realizadas pelos trabalhadores, a fim de diminuir a sua exposição aos riscos ergonômicos. Logo, ao ser aplicada no ambiente de trabalho, a ergonomia viabiliza que os empregados utilizem os recursos que estão à seu favor.

Assim, é possível minimizar os riscos de acidentes de trabalho e doenças laborais, bem como melhorar o desempenho, o engajamento e a produtividade dos colaboradores dentro da empresa.

Quais são os tipos de ergonomia no trabalho?

A ergonomia é uma ciência que aborda diversos fatores que podem estar associados à saúde do colaborador. Por esse motivo, ela é dividida em vários tipos, onde cada um deles tem o objetivo de oferecer condições específicas para os empregados, conforme os seus cargos e tarefas exercidas.

Quando se fala no fator ergonômico, automaticamente, pensamos em aspectos relacionados à postura física. Mas e se eu te contar que não é só isso? São 7, por exemplo, os tipos de ergonomia no trabalho, conforme ilustra o spoiler a seguir:

  1. Ergonomia física;
  2. Ergonomia de conscientização;
  3. Ergonomia organizacional;
  4. Ergonomia de correção;
  5. Ergonomia participativa;
  6. Ergonomia cognitiva;
  7. Ergonomia de concepção.

Então, conheça abaixo quais são os tipos de ergonomia no trabalho e as principais diferenças entre eles!

Ergonomia física

A ergonomia física visa estudar a relação entre as características físicas, ou seja, a anatomia do colaborador e as suas tarefas exercidas. Assim, o intuito é avaliar como as suas particularidades podem se adaptar às suas condições de trabalho.

Com isso, a ergonomia física preserva a postura durante o trabalho, o manuseio correto de equipamentos e materiais, a diminuição dos movimentos repetitivos e a harmonização do ambiente de trabalho conforme as necessidades dos colaboradores.

Ergonomia de conscientização

A ergonomia de conscientização, como o próprio nome já diz, é focada na capacitação e conscientização dos trabalhadores para a ergonomia em seu ambiente de trabalho.

Desse modo, ela é feita através de treinamentos e palestras, que visam conscientizar os funcionários sobre o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e a correção da postura, por exemplo.

Ergonomia organizacional

Também conhecida como ergonomia operacional, a ergonomia organizacional baseia-se em avaliar e propor alterações nas políticas, sistemas e processos da empresa, com o objetivo de favorecer a saúde e segurança dos colaboradores.

A ideia é evitar que os profissionais se sintam sobrecarregados e, por isso, a ergonomia organizacional vista projetar esquemas focados em produtividade, mas sem deixar de considerar a preservação da saúde dos empregados.

Ergonomia de correção

A ergonomia de correção atua com o ajuste do ambiente de trabalho, a fim de evitar desconfortos, incômodos ou dores aos colaboradores. Dessa forma, ela garante um ambiente adequado às características e tarefas executadas pelos funcionários.

Ergonomia participativa

A ergonomia participativa foi desenvolvida com o propósito de conscientizar e fiscalizar se as práticas preventivas estão sendo executadas devidamente. Para isso, ela atua com foco na criação de um Comitê Interno de Ergonomia (CIE), que tem o dever de priorizar a saúde dos colaboradores.

Ergonomia cognitiva

Como dito acima, não é apenas a saúde física do trabalhador que é considerada na ergonomia. Dessa forma, a ergonomia cognitiva surgiu para intervir em situações que podem impactar na saúde mental e fazer com que o raciocínio, memória, resposta motora e percepção dos profissionais sejam preservados.

Ergonomia de concepção

Por fim, a ergonomia de concepção estima desenvolver projetos destinados a fazer com que o ambiente de trabalho fique mais apropriado aos profissionais, isto é, que ele seja elaborado da forma mais adequada às tarefas que serão executadas neste espaço.

Agora que você já sabe quais são os tipos de ergonomia associadas ao trabalho, chegou o momento de entender outra questão indispensável sobre este assunto. Continue por aqui e se intere a respeito dos aspectos da legislação trabalhista acerca dos temas ergonômicos.

O que diz a lei sobre a ergonomia no trabalho?

ergonomia no trabalhoA ergonomia no trabalho é um tema assegurado pela Norma Regulamentadora nº 17 (NR-17), criada em 08 de junho de 1978, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com o intuito de reduzir a exposição dos colaboradores aos riscos ergonômicos.

Ela obriga que as empresas implementem a ergonomia no trabalho para garantir a saúde, segurança e qualidade de vida dos funcionários que podem ser afetados durante a execução das suas atividades no ambiente de trabalho.

Assim, conforme a regulamentação, a NR-17 “visa estabelecer as diretrizes e os requisitos que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar conforto, segurança, saúde e desempenho eficiente no trabalho.”

Com isso, “as condições de trabalho incluem aspectos relacionados ao levantamento, transporte e descarga de materiais, ao mobiliário dos postos de trabalho, ao trabalho com máquinas, equipamentos e ferramentas manuais, às condições de conforto no ambiente de trabalho e à própria organização do trabalho.”

Então, diante do exposto, a NR-17 pleiteia que os próprios colaboradores façam uma Análise Ergonômica no Trabalho (AET), onde eles devem registrar quais são os riscos ergonômicos presentes no ambiente.

Desse modo, a organização deve receber o laudo e planejar as medidas que serão implementadas, a fim de eliminar ou minimizar esses riscos. Feito isso, as ações devem ser documentadas na própria AET.

Assim, a empresa deve fazer o acompanhamento frequente dos trabalhadores para certificar que as ações preventivas estão sendo, devidamente, executadas, garantindo menores incidências de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

Portanto, é importante destacar que tanto o empregador quanto o empregado têm papéis importantes para a ergonomia no trabalho. Logo, o descumprimento de ambas as partes pode gerar problemas, como o pagamento de multas pela empresa e a demissão por justa causa para os funcionários.

Benefícios da ergonomia no trabalho

Certamente, você já deve ter percebido que a ergonomia no trabalho traz diversos benefícios para a saúde física e mental dos colaboradores. Mas, quais são os verdadeiros ganhos para a organização e o empregado? Veja a seguir!

Para a organização

  • Maior produtividade dos funcionários;
  • Retenção de talentos;
  • Redução de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais;
  • Colaboradores mais engajados e motivados;
  • Clima organizacional eficiente;
  • Diminuição de faltas, atrasos e atestados médicos;
  • Menos custos com plano de saúde;
  • Produções entregues com mais qualidade;
  • Trabalhadores mais satisfeitos com a empresa.

Para o empregado

  • Prevenção de lesões, dores ou incômodos;
  • Manutenção da saúde física e mental;
  • Melhor trabalho em equipe;
  • Saúde e segurança preservadas;
  • Diminuição do estresse;
  • Redução dos riscos de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais;
  • Qualidade de vida e bem-estar garantidos.

5 ações para aplicar a ergonomia no trabalho em sua empresa

Como já mencionamos, as ações de ergonomia devem ser adequadas ao ambiente de trabalho de cada empresa. Desse modo, elas podem variar de acordo com as necessidades individuais e os riscos ergonômicos presentes no ambiente.

No entanto, confira abaixo algumas ideias de ações de ergonomia no trabalho que podem ser aplicadas dentro de uma organização!

1 – Insira exercícios de aquecimento para o começo do expediente

Essa é uma excelente ação para os funcionários que executam as tarefas por meio de movimentos repetitivos ou grandes esforços, como é o caso do levantamento de pesos. Assim, é possível reduzir o impacto dessas atividades, bem como prevenir problemas como LER, dorsalgias ou hérnia de disco, por exemplo.

2 – Atenção a jornada de trabalho

A jornada de trabalho dos funcionários deve ser definida, de forma que não seja necessária a realização de horas extras frequentes. Além disso, é importante que os colaboradores tenham o tempo suficiente para descansarem.

Sendo assim, é crucial que a empresa esteja atenta para não sobrecarregar os colaboradores com o excesso de horas extras, bem como acompanhar se eles estão fazendo as pausas devidamente.

Para isso, o ideal é adotar um sistema de controle de ponto eletrônico digital, como o Genyo, para monitorar a jornada de trabalho dos funcionários e, assim, identificar precocemente as jornadas excedentes.

Com o nosso sistema, os seus funcionários podem registrar os seus horários de entrada, saída, pausas e volta das pausas de forma simples e prática. Sendo necessário ter acesso apenas a um celular, tablet ou computador, podendo ser feito tanto de forma online quanto offline.

Portanto, clique aqui para conhecer todas as funcionalidades que você encontra no Genyo e garanta agora mesmo o melhor plano para a sua empresa!

3 – Opte por móveis com regulagem

Nos casos dos colaboradores que trabalham sentados, o ideal é optar por móveis com regulagem para que eles consigam ter uma boa adaptação à postura correta.

Portanto, é importante que a empresa dê preferência para mesas e cadeiras que possam regular a diferentes perfis de funcionários, bem como a suporte para computadores e pés que oferecem maior conforto aos profissionais.

4 – Cuidado com a iluminação

É importante que a iluminação do ambiente ofereça conforto à visão dos colaboradores, dispensando, então, que eles se esforcem para enxergar. O que pode provocar fadiga ocular, gerando dor e irritação nos olhos, dor de cabeça, visão embaçada e maior sensibilidade à luz.

5 – Mantenha a temperatura estável

Por fim, devemos destacar que a temperatura é um outro fator necessário para que os colaboradores se sintam confortáveis em seu ambiente de trabalho. Logo, é importante ter cuidado com o calor ou frio intenso, pois isso pode prejudicar o desempenho dos funcionários.

Nos casos em que a temperatura mínima é importante para determinadas atividades, o colaborador deve trabalhar com um EPI que garanta o seu aquecimento. Fora isso, o ideal é manter as temperaturas medianas.

E a ergonomia no trabalho home office? Como fica?

O trabalho home office garante mais autonomia e tempo para os funcionários e menores custos à empresa. No entanto, a ergonomia nessa modalidade de trabalho deve ter uma atenção redobrada, para que ele seja, de fato, positivo e não traga riscos à saúde do colaborador.

Portanto, é importante que o funcionário tenha móveis que garantam uma postura adequada durante o exercício das suas atividades, como uma mesa apropriada para a sua estatura e uma cadeira que favoreça a uma coluna reta e postura confortável.

Além disso, é fundamental que o monitor fique a uma distância entre 50 a 75 cm dos seus olhos, o que irá minimizar os riscos de dores de cabeça e fadiga ocular.

Outros pontos que devem ser considerados são a ventilação e a iluminação do ambiente, uma vez que, ele deve trazer conforto e bem-estar. Portanto, é importante que não haja raios de sol incidindo no local ao longo do dia, por exemplo.

Ademais, os profissionais de saúde recomendam fazer 5 minutos de alongamento a cada 1 hora de trabalho, além de manter a hidratação durante as atividades.

Como o controle de ponto pode ajudar a ergonomia no trabalho?

Como visto até aqui, a ergonomia no trabalho é um fator crucial para promover a saúde e bem-estar dos colaboradores dentro de uma empresa. Dessa forma, o controle de ponto se faz necessário, pois ele permite que a organização acompanhe toda a jornada de trabalho dos seus funcionários.

Assim, é possível identificar quando os profissionais estão excedendo as suas horas de trabalho, o que pode gerar sobrecarga e problemas em sua saúde.

Com isso, o sistema de controle de ponto do Genyo é uma excelente opção, pois ele pode ser utilizado até mesmo por trabalhadores home office, além da praticidade e agilidade que ele oferece.

Logo, clique aqui para testar sem compromisso por 15 dias e conheça todas as funcionalidades que o nosso sistema oferece para facilitar o dia a dia da sua empresa!

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog