Perfil comportamental: Conheça os 4 tipos e como inseri-lo na gestão

O perfil comportamental dos funcionários, muitas vezes, importa mais do que a sua capacidade técnica. Saiba a importância disso! Veja mais neste artigo!
Sumário
perfil comportamental

A ascensão de um negócio depende das pessoas envolvidas nesse processo, por trás de toda empresa existem colaboradores reais inseridos e trabalhando para que tudo ocorra da melhor forma possível. No entanto, não estamos falando da capacidade técnica e sim do perfil comportamental que faz a diferença no dia a dia e nos resultados.

Como podemos ver, este é um assunto muito importante. Empresas visionárias e atualizadas investem em candidatos com o perfil desejado, já que o conhecimento da função pode ser fornecido com uma educação continuada lá dentro.

Por isso, o Genyo escreveu esse artigo contendo tópicos importantes para o esclarecimento da maior parte de assuntos voltados ao perfil comportamental. Para isso, será possível entender o conceito desse conjunto de características, a sua gestão e os seus 4 tipos. Além disso, também trabalharemos em cima de situações onde o seu teste pode ser aplicado.

Através desses itens, o trabalhador obterá maior entendimento do impacto e importância do seu perfil comportamental. Paralelo a isso, o gestor também poderá complementar o seu conhecimento acerca disso.

Definição de perfil comportamental

O perfil comportamental pode ser definido como um conjunto de características intrínsecas da pessoa que facilitam a previsão de futuras atitudes para determinadas situações. Dessa forma, quando falamos do perfil de alguém, é basicamente o jeito dela lidar com as coisas.

No caso do ambiente corporativo, que é o nosso foco, o perfil comportamental se resume às características que tal profissional tem e que permite reações ao ambiente laboral que está inserido.

Por exemplo, falar que Maria tem o perfil para ser gestora de uma empresa quer dizer que ela possui características que nos fazem acreditar que o seu desempenho na função de gestora será satisfatório. Essa conclusão que tiramos de Maria, no entanto, foi permitida a partir de estímulos que respaldam o resultado final.

Como esse perfil comportamental é formado?

Cada ser humano possui uma forma de lidar com as situações, às vezes, somos expostos ao mesmo problemas e conseguimos ter diversos tipos de reações e alternativas para que este seja desenvolvido.

A partir daí já fica fácil entender o motivo das empresas darem preferência a uma variedade de perfis comportamentais. Afinal, ter várias mentes pensando de jeitos diferentes pode contribuir muito mais com a diversidade de projetos do que viver em uma corporação onde todos são iguais.

Dessa forma, a formação dessa variedade de perfis vem da própria construção do funcionário como pessoa. Para isso, as suas vivências, experiências e até mesmo a forma como ele foi criado influencia e muito nesse momento.

Além disso, a cultura, o local onde o colaborador cresceu e seus aprendizados formam um combo de requisitos construtores de um perfil profissional no futuro. Por isso, mapear esse perfil pode ser até mais difícil do que examinar as suas competências técnicas, afinal, isso pode ser avaliado com alguns testes e simulações de forma bem mais simples.

Por isso, a formação do perfil comportamental é extremamente complexa, isso faz com que o perfil em si também seja complicado e profundo.

A gestão de comportamento nas organizações

A gestão comportamental é um método de gerenciamento bastante utilizado nos últimos tempos. Dessa forma, o seu principal objetivo é compreender o comportamento dos colaboradores da organização e aproveitar ao máximo suas habilidades.

Com isso, o fato de conhecer muito bem o colaborador é importante. Existe uma necessidade maior, por outro lado, que é justamente fazer com que o próprio funcionário tenha o autoconhecimento sobre as suas práticas e funções.

Um funcionário que se conhece pode explorar mais as suas qualidades, fazendo com que o gestor entenda com maior transparência onde ele desempenha com mais vigor o seu trabalho no dia a dia.

Além disso, o líder não pode se preocupar apenas na função e desempenho do colaborador. Para melhorar o processo da gestão de comportamento, ele precisa entender o que motiva o seu funcionário. Isso, no entanto, depende de uma relação próxima entre líderes e liderados, assim como realmente deve ser.

Saber gerir o comportamento das organizações, de forma individual e coletiva, faz com que o clima organizacional seja melhorado e permite com que os funcionários fiquem mais satisfeitos. Colaboradores motivados realizam o registro de ponto eletrônico no horário, faltam menos e “vestem a camisa” da empresa com satisfação.

Para fazer uma análise eficiente do comportamento organizacional, é necessário que você:

  1. Faça uma pesquisa de clima organizacional;
  2. Análise o resultado dos indicadores de desempenho, tanto individual como também coletivo;
  3. Avalie o nível de interação e envolvimento dos colaboradores nos projetos internos em que eles participam;
  4. Observe nos colaboradores características essenciais, como por exemplo a  proatividade, criatividade, empenho, comprometimento, responsabilidade e inovação;
  5. Avalie a qualidade dos relacionamentos interpessoais, principalmente entre líderes e liderados;
  6. Verifique se os funcionários estão alinhados em relação a visão e valores da empresa;
  7. Avalie o índice de rotatividade de funcionário e estude as possíveis causas para a saída de talentos.

Após esses 7 passos, o engajamento será muito maior do que no passado. Além disso, as maneiras de se obter informações fazem com que seja expandida a forma de lidarmos com as demandas e melhorar continuamente os processos institucionais.

Afinal, deve ser interesse de todos que a empresa cresça, basta organizar a melhor forma e realocar os colaboradores para que eles estejam localizados na hora, no momento e no lugar certo para agregar valor.

Para aperfeiçoar a prática dessa gestão, algumas referências podem ser extremamente úteis nesse processo. Por meio delas, mais conhecimento através de diferentes pontos de vista pode ser mais interessante do que se manter na mesma linha de pesquisa que se está habituado.

Para isso, investir na leitura do livro “Comportamento Organizacional: O Comportamento Humano no Trabalho“ de John W. Newstrom, além do “Comportamento organizacional e intraempreendedorismo” das autoras Camila Bruning, Cristiane Cecchin Monte Raso e Alessandra De Paula permite ótimos resultados.

Os 4 tipos de perfis comportamentais

Para fazer essa classificação, várias metodologias podem ser utilizadas. No entanto, independente da plataforma, a maioria dos perfis comportamentais se resumem em 4 mais conhecidos. Veja abaixo quais são eles e tente se visualizar em algum.

1. Comunicador

O carisma e persuasão são características fortes de um bom comunicador, falar e demonstrar o seu ponto de vista nunca foi tão fácil para essas pessoas. Além disso, pessoas comunicativas possuem a tendência de serem otimistas e positivas no que tange os resultados esperados.

Em relação aos colegas de trabalho, o perfil comunicador não encontra nenhuma dificuldade em construir relacionamentos. Dessa forma, eles acabam contagiando as pessoas com o seu espírito altruísta.

A capacidade de ser sociável é ótima para trabalhos que exigem um bom desempenho em atividades em grupo. Por isso, o ideal é sempre ter um perfil comunicador em sua equipe.

Como toda pessoa e perfil, este possui desvantagem. Os comunicadores pecam no planejamento e por isso acabam tendo dificuldades para seguir cronogramas.

2. Executor

O executor é o tipo de pessoa que nada consegue parar, dê uma demanda para ela e tudo será feito da melhor forma possível. A competitividade acaba sendo o seu combustível para vencer obstáculos e fazer o que é necessário para que o objetivo se torne realidade.

O perfil executor tem um elevado nível de confiança consigo mesmo, além do alto foco no trabalho. Por meio dele, metas são alcançadas e até mesmo ultrapassadas, subindo o nível da corporação de forma incomparável.

No entanto, o executor possui características negativas, como por exemplo o hábito de ser autoritário e a dificuldade de abandonar demandas não solucionadas.

Às vezes, não é possível resolver determinado problema, no entanto ele pode não ser urgente e esperar outros com uma prioridade maior, mas os executores quando pegam para fazer é necessário ir até o fim.

3. Analista

Um bom analista entende de cuidado, detalhes e atenção, tudo isso é necessário para que ele desempenhe a função. No cenário de trabalho, eles não abrem mão de serem o mais detalhistas possível na sua função, além de serem organizados e conservadores.

Por isso, atividades que necessitam de certa meticulosidade são as mais interessantes de acordo com a visão do analista. Dessa forma, trabalhar com eles não é um problema burocrático pois eles estão seguindo as regras a todo momento.

No entanto, eles não são as melhores pessoas para trabalhar sob pressão e não conseguem se adaptar a mudanças muito drásticas, já que são conservadores assumidos. Esse cuidado que eles possuem pode causar muita criticidade com eles mesmos e com outras pessoas, além de haver certo orgulho envolvido nisso.

4. Planejador

Este sente a necessidade de controlar tudo de maneira antecipada, ou seja, cautela e visão também fazem parte das suas características. Por outro lado, eles acabam tendo dificuldade de lidar com situações não esperadas e é mais difícil esperar um improviso deles. Por isso, trabalhar sob pressão acaba não sendo o forte do planejador.

Além disso, são pessoas que conseguem mediar conflitos com facilidade e possuem o lado racional mais aflorado do que os demais. Isso permite que o equilíbrio seja alcançado sem que haja a necessidade de interferências dos cargos superiores.

Situações em que o teste de perfil comportamental é aplicado

perfil comportamental

Descobrir o perfil comportamental de um candidato ou colaborador possui muitas vantagens e utilidade para a rotina no setor de Recursos Humanos. Por isso, confira abaixo 4 das várias aplicações mais comuns dessa ferramenta.

1. Recrutamento e seleção

Com certeza esse é o momento em que o teste de perfil comportamental é mais utilizado, na verdade, este é o mais conhecido entre as pessoas. Para qualquer pessoa entrar na empresa, sobretudo as privadas, alguns processos seletivos podem ser feitos.

Dessa forma, uma tática para selecionar a pessoa cujo características são desejadas pode ser o teste de perfil comportamental. Assim, mais confiança é dada ao processo e a sua necessidade pode ser atendida, além de garantir que aquela pessoa atende as necessidades da vaga.

Para isso, é necessário que seja feito um teste que normalmente é passado de forma virtual, sem a necessidade do candidato se deslocar até a empresa.

2. Orientação Vocacional

Algumas pessoas ainda estão perdidas quanto ao seu futuro, necessitando de suporte para entender melhor quais são as suas características e o que fazer com elas. Nesse sentido, é mais comum vermos acontecer a aplicação do teste na situação de jovens, mas nada impede de um funcionário ter a necessidade de passar por essa avaliação também.

Dessa forma, se conhecer aumenta a possibilidade de sucesso na função que desempenhar e na profissão que escolher. Além disso, reduz o risco de haver um retrabalho, em casos de escolhas mal feitas e até mesmo evitar decepções por conta disso.

3. Realocação e/ou promoção de funcionários

Fazer alguma alteração na vida laboral do funcionário necessita de uma avaliação prévia, será que ele realmente precisa disso? Ou será que ele terá uma produtividade maior em determinado setor com uma função completamente diferente?

Esse tipo de pergunta pode ser respondida com o teste de perfil comportamental, é necessário fazer uma relação da área com o perfil da pessoa e julgar se realmente existe compatibilidade. Para isso, o indicado é que seja feito toda vez que haja remanejamento de funcionário, independente se o mesmo já tenha feito há pouco tempo.

4. Planejamento estratégico

O planejamento estratégico é uma estratégia de gestão que ajuda o empreendedor a mapear o caminho a ser seguido para que possa atingir os objetivos propostos ao negócio. Dessa forma, podemos dizer que é algo próximo de um roteiro.

Ele indica onde a empresa se encontra, onde quer chegar e também quais são as atitudes necessárias para cumprir essa jornada. Por isso, conhecer o perfil dos funcionários é um grande diferencial na hora de traçar o planejamento estratégico da empresa.

Por meio dele, é possível identificar as competências e padrões comportamentais de cada funcionário da equipe, organizando os projetos e distribuindo demandas de acordo com as informações do perfil comportamental.

Conclusão

Após a leitura do artigo, foi possível compreender de forma mais abrangente o perfil comportamental e sua importância para o RH. Além disso, ter o apoio de tecnologias que tornam o trabalho desse setor mais simples é essencial. Dessa forma, o Genyo eleva o nível da sua empresa  fornecendo um sistema tecnológico para o servidores do RH.

Não fique de fora e venha consultar as nossas funcionalidades!

Outros artigos relacionados

Inscreva-se na
Genyo News

Toda semana na sua caixa de e-mail. É grátis!

Compartilhe este artigo

A gestão inteligente que o seu RH e DP merecem

Este controle de ponto digital permite acompanhar remotamente as atividades, presenças e ausências dos funcionários internos e externos.

modal controle de ponto blog