5 pilares da inteligência emocional: como aplicá-los
31 mar 2021

5 pilares da inteligência emocional: como aplicá-los

pilares da inteligência emocional

O equilíbrio entre razões e emoções é uma habilidade que reflete em todos os campos da vida. Mas como será que essa ponderação acontece? A resposta é simples: os pilares da inteligência emocional (IE) garantem que os dois hemisférios do cérebro funcionem em harmonia.

Este artigo aborda a questão dessas colunas que sustentam a IE, bem como suas aplicabilidades no dia a dia. Ao término da leitura, você terá bases para colocar em prática os procedimentos que refletirão – de maneira positiva – em sua vida profissional e pessoal.

Continue por aqui e, certamente, não terá arrependimento. Vamos em busca de mais doses de conhecimento?

 

Os 5 pilares da inteligência emocional

No ano de 1990, os psicólogos e teóricos Peter Salovey e John Mayer formataram o que viria a ser a inteligência emocional. Em suma, esse conceito lida com a habilidade de saber equilibrar a razão e a emoção. De acordo com eles, essa habilidade é associada aos princípios básicos abaixo:

  1. Percepção das emoções: a precisão com que um indivíduo identifica as emoções;
  2. Raciocínio por meio das emoções: utilizar informações emocionais para facilitar o desenvolvimento do raciocínio;
  3. Entendimento das emoções: captar variações emocionais nem sempre evidentes e compreender as emoções com mais profundidade;
  4. Gerenciamento das emoções: aptidão e desenvoltura para lidar com os próprios sentimentos.

Esses fundamentos facilitam a formação de uma ideia a respeito de quais são os alicerces da IE. Para entendê-los, no entanto, é preciso buscar a base teórica desenvolvida por Daniel Goleman, jornalista científico e psicólogo especializado nessa área. A seguir, você confere quais são os pilares da inteligência emocional.

 

1. Autoconhecimento emocional

Se conhecer é o primeiro passo para desenvolver a IE. Você precisa saber analisar as emoções e as ações que adota em resposta aos estímulos. Eis o pilar mais forte da inteligência emocional!

Porém, o autoconhecimento emocional não é tão fácil de dominar. Em outras palavras, ninguém descobre essas informações depois dos momentos curtidos nos intervalos interjornada e intrajornada. Afinal, a IE é fruto do desenvolvimento de vários processos de constantes aprimoramentos. Logo, não se desespere e, menos ainda, se desanime.

Para dar um start no seu processo de autoconhecimento, procure começar a escrever suas emoções. A partir dessas anotações pessoais, você terá um material para iniciar a sua jornada em busca do conhecimento pessoal.

 

2. Controle das emoções ou autogerenciamento

Antes de mais nada, é preciso entender que dias ruins vão e vêm com a mesma facilidade. Logo, é mais do que normal vivenciarmos situações adversas e encararmos problemas. Em suma, todos estamos sujeitos ao estresse e à ansiedade.

O importante, no entanto, é não cair nas armadilhas do desespero. Essas situações podem impulsionar decisões equivocadas. Para evitar essa miopia emocional, você pode começar eliminando o olhar negativo acerca das coisas. Mantenha o otimismo, pois, não há melhor maneira para encontrar as soluções mais eficientes.

Por fim, mas não menos importante, sempre que estiver diante de um momento adverso, mantenha a calma. Inspira, respira e não pira.

 

3. Automotivação

O pilar do autoconhecimento te incentiva a guiar suas emoções, sempre na busca da realização de objetivos. Afinal, a inteligência emocional requer análises acerca dos sentimentos, para que então possamos moldar nosso comportamento.

A partir do impacto de consciência descrito acima, surge a automotivação. Mas, calma! Se automotivar não é apenas mirar no espelho e gostar da imagem refletida.

Na real, a autoativação tem mais a ver com os processos de conseguir canalizar a energia da emoção, seja ela qual for, na intenção de conquistar objetivos. Nesse sentido você pode, por exemplo, entender que há maneiras de manter a calma na hora de realizar determinadas tarefas. Antes de uma reunião importante, experimente fazer uma meditação durante alguns minutos. Além disso, encaixe exercícios físicos em sua agenda, pois, eles te ajudarão a queimar a adrenalina

 

4. Empatia

o termo empatia é assunto popular, de fato. Porém, não é apenas uma palavrinha bonita de ser publicada em redes sociais. Dito isso, saiba que ser empático é realmente entender as outras pessoas.

Procure colocar-se no lugar do outro, bem como entender suas emoções e comportamentos. Além de aumentar a sua sensibilidade, a empatia te tornará mais receptível às novas ideias.

E como ser mais empático no dia a dia? Simples: seja sensível e demonstre preocupações verdadeiras. Se “coloque nos sapatos do outro” e tente caminhar. Isso tudo te ajudará a gerenciar com mais eficiência o último dos pilares da inteligência emocional.

 

5. Relacionamento interpessoal ou sociabilidade

A construção de relações mais positivas e edificantes é uma consequência da empatia. As habilidades sociais reverberam em todos os campos da vida. Afinal, é impossível viver ou existir sozinho. Nesse sentido, esteja de prontidão para lidar com pessoas de diferentes culturas e linhas de pensamentos.

Esse pilar da inteligência emocional é o que te ajuda a transitar, com a destreza de um campeão de Fórmula 1, entre os mais variados grupos sociais. Em outras palavras, a sociabilidade é uma das maneiras mais eficientes e sensatas para criar uma atmosfera amistosa ao seu redor. Uma das pedras angulares do relacionamento interpessoal, conforme você pode imaginar, é o respeito.

 

Como aplicar os pilares da inteligência emocional

viu só como os pilares da inteligência emocional são acessíveis? Não há mistério, receita ou milagre. As construções desses alicerces, entretanto, são frutos do desenvolvimento de habilidades.

Para aplicar esses pilares, é preciso entender que eles são complementares. A IE é um ciclo virtuoso, que começa na jornada do autoconhecimento e – quatro pilares depois – chega nas boas práticas de relacionamento interpessoal. Esse percurso todo acontece com a finalidade de incentivar o indivíduo a fazer reflexões sobre sentimentos e objetivos. Nesse sentido, uma vez mais, é possível observar o equilíbrio entre razão e emoção.

Gostou de conhecer um pouco mais sobre os pilares da inteligência emocional? Então, desde já, saiba que a equipe do Controle de Ponto Digital Genyo deseja que você tenha sucesso no desenvolvimento de seus processos. Dessa maneira, estamos certos de que você será um profissional em constante evolução.

Seja o primeiro

Qual sua opinião sobre o assunto?

Seu email não será publicado ;)