Tudo o que você precisa saber sobre produtividade marginal
22 fev 2021

Tudo o que você precisa saber sobre produtividade marginal

produtividade marginal

O termo “produtividade marginal” pode, de fato, soar de maneira pejorativa ou pouco criteriosa, segundo as percepções dos mais leigos. A verdade, no entanto, é que estamos lidando com um conceito da economia neoclássica. Nesse sentido, não há motivos para gerar preocupações acerca de possíveis situações irregulares.

Mas será que esse tipo de produção relativamente pouco comentada na mídia acontece aí na sua empresa?

Neste artigo, você aprende tudo o que precisa saber sobre produtividade marginal. Além da definição, conversaremos sobre cálculos e usos práticos. Por fim, esse tema de nome tão inusitado será desmistificado de uma vez por todas.

Agora, vamos para nossa dose semanal de conhecimento!

 

O que é produtividade marginal

A produtividade marginal [Pmg] corresponde à variação na produção que resulta da utilização de uma unidade diferente do fator de produção, mantendo constantes a quantidade de outros insumos como, por exemplo, a matéria-prima e os equipamentos utilizados nos processos. Dessa forma, o produto final aumenta ou diminui conforme a variação das entradas (input) de novos elementos nos processos de produção.

Esse conceito é utilizado para entender o equilíbrio entre as receitas de venda e os custos de produtos ou serviços. É importante conhecer a produtividade marginal do seu negócio, pois, se no fim das contas os custos da empresa excedem a receita de vendas, acontece a perda de dinheiro.

Antes de continuarmos com o assunto da produtividade marginal, há um esqueminha de definições que você precisa entender:

  1. Produto total: quantidade do produto que se obtém da utilização do fator variável, mantendo-se fixa a quantidade dos demais fatores.
  2. Produto marginal: relação entre as variações do produto total e as variações da quantidade utilizada do fator.
  3. Produto médio: resultado do quociente da quantidade produzida pela quantidade utilizada desse fator.

Agora que as diferenças entre os produtos estão claras, chegou a hora de conferir uma importante etapa da jornada do entendimento sobre produtividade marginal. Vamos lá?

 

Como calcular a produtividade marginal?

Para calcular a produtividade marginal, você vai usar a fórmula Pmg = Δ Y / Δ X.
Confira abaixo a explicação das variáveis:

  • Pmg = produtividade marginal
  • Δ Y = variação de saída [variação no output]
  • Δ X = variação de entrada [variação no input]

Deu um nó na cabeça aí? Não se preocupe! O segredo é encarar a matemática como ciência que usa números e equações para explicar o mundo.

Filosofia à parte, vamos conferir um exemplo prático desse cálculo. Acompanhe abaixo:

Uma confecção com 15 colaboradores produz 700 camisas. Graças à contratação de um novo funcionário, mas utilizando as mesmas máquinas, a produção sobe para 707 peças. De acordo com a fórmula que vimos acima, qual será o valor da produtividade marginal? Observe o cálculo:

  • 707 – 700 (variação no output) = 7
  • 16 – 15 (variação no input) = 1
  • 7 / 1 = 7 peças por cada trabalhador adicional

O valor calculado permite descobrir o número de unidades produzidas por um novo trabalhador contratado na empresa, a chamada produtividade marginal. No exemplo acima, em vez de 15 trabalhadores, a empresa passou a contar com 16, obtendo assim um novo volume de produção. Não tem segredo! Após calcular o valor das variações, divide-se a output pela input. O resultado é a Pmg, ou seja, a produção aumenta em 7 camisas por trabalhador adicional.

Viu só como a produtividade marginal pode ser interessante para um negócio? Agora, vamos entender uma importante relação entre esse tipo de produção e os lucros de uma empresa.

 

Como maximizar lucros com produtividade marginal

Primeiramente, devemos internalizar dois conceitos básicos da administração. Ambas definições foram retiradas do site Dicionário Financeiro, glossário que abrange investimento, finanças pessoais, empreendedorismo e carreira.

  • Custo marginal: alterações causadas no custo total para uma mudança unitária na quantidade produzida.
  • Receita marginal: é o adicional rendido à empresa com um aumento da produção obtida com uma unidade extra.

Com base nessas diretrizes, o conceito de produtividade marginal pode ser o fio da meada para determinar a quantidade ideal de funcionários e equipamentos que a empresa precisa para operar de maneira plena. A seguir, você confere a simulação de uma avaliação de contratação.

  • Uma empresa fatura R$ 1700,00 em receitas
  • A contratação de um trabalhador extra vai custar R$ 1250,00
  • A chegada do novo trabalhador vai gerar um ganho líquido de R$ 450,00

Logo, a contratação desse funcionário pode acontecer tranquilamente. Em outras palavras, a mão de obra dele vai aumentar a receita de maneira deveras satisfatória.

Bem interessante essa possibilidade de maximizar os lucros com a produtividade marginal, concorda? Porém, a exemplo de boa parte dos fundamentos da economia, sempre há o outro “lado da moeda”. A seguir, vamos conversar sobre quando esse tipo de produção pode ser nociva.

 

A produtividade marginal decrescente

Para avaliar se vale a pena investir na produtividade marginal, você deve entender que se o “custo marginal” for superior à “receita marginal”, a empresa pode começar a ter prejuízos. Quando há esse resultado pouco desejável, temos a produtividade marginal decrescente.

Em síntese, se um determinado insumo é aumentado o suficiente para superar o volume de produção, a produtividade marginal passa a ser desinteressante. O exemplo clássico para ilustrar essa situação pode ser visto na indústria agrícola. Para tal, vamos considerar dois fatores de produção:

  1. extensão de terra
  2. quantidade de trabalhadores

Considere que a plantação é feita sempre no mesmo terreno e com as mesmas técnicas de plantio. Assim, a única forma possível para aumentar a produção é contratar mais colaboradores. Logo, ao acrescentar um trabalhador a mais na lavoura, a produção total irá aumentar. Se adicionar um segundo lavrador, contudo, a produção irá aumentar, mas em um nível menor do que a adição anterior.

A situação descrita acima acontece porque a extensão da terra é a mesma. Portanto, o segundo trabalhador contratado não vai conseguir gerar a mesma produtividade adicional dos trabalhadores anteriores. Em outras palavras, quando toda a extensão da terra já está sendo utilizada, o acréscimo na produção ao aumentar o número de membros na equipe vai diminuindo sucessivamente. Por isso, se considera que esse sistema apresenta produtividade marginal decrescente.

Agora que chegou até aqui, certamente você já tem os caminhos para implantar a produtividade marginal de forma eficiente aí na sua empresa. Desde já, a equipe do Controle de Ponto Digital Genyo deseja sucesso total nos seus processos. Até a próxima!

Seja o primeiro

Qual sua opinião sobre o assunto?

Seu email não será publicado ;)