25 out 2021

Vale a pena aplicar a liderança democrática na empresa?

liderança democrática 1

A liderança democrática faz parte dos 7 tipos de lideranças mais presentes nos departamentos de gestão de pessoas. Considerando o nome, essa maneira de liderar parece ser a mais perfeita de todas. Mas será que, de fato, é “essa Brastemp” toda?

No post de hoje, você entenderá como funciona esse modelo de gestão, incluindo suas vantagens e desvantagens. Por fim, este artigo te dará uma sólida base para fazer seus julgamentos e, naturalmente, compreender se vale a pena concentrar esforços num líder carismático.

Vamos lá?

 

O que é a liderança democrática?

Em primeiro lugar, precisamos lembrar que “democrática” vem do termo “democracia”, cujas origens apontam para duas palavras do vocabulário grego: demos (povo) e kratos (poder). Sendo assim, liderança democrática parte da ideia de que a relação entre líder e liderados é mais horizontalizada.

O fato de dar mais voz ativa aos colaboradores, no entanto, não quer dizer que o líder democrático possa endossar e incentivar quaisquer formas de libertinagem. Ou seja, o ambiente de trabalho continua com seu grau de seriedade, compromisso, dedicação e demais fundamentos que facilitem a busca por resultados positivos.

Na verdade, a liderança carismática incentiva e envolve a participação da equipe em todas as etapas dos processos de trabalho. Nesse sentido, o team leader está disposto a receber sugestões e opiniões, bem como a analisar as possibilidades de colaborações dos liderados. Assim sendo, as responsabilidades são igualmente distribuídas e os colaboradores participam ativamente das tomadas de decisões.

Por fim, é importante frisar que a gestão pautada na democracia prioriza a satisfação, o bem estar e a motivação do time. Em suma, o líder estimula os bons relacionamentos interpessoais, a comunicação assertiva e o desenvolvimento dos funcionários.

 

Quais as características da liderança democrática?

Na liderança democrática, o líder estreita sua relação com seus liderados. Nesse sentido, a gestão chama para a responsabilidade de orientar, apoiar e incentivar os colaboradores a buscarem seus respectivos desenvolvimentos.

É importante esclarecer que o líder democrático não se atém apenas às metas para que a equipe alcance os melhores resultados para a empresa. Dessa forma, é priorizado também o crescimento das pessoas que fazem parte dela.

Abrindo mão do conservadorismo, a gestão democrática lança mão da flexibilidade, ou seja, a equipe fica confortável para participar dos processos de decisão. Abaixo, você confere algumas das principais características desse tipo de liderança.

 

Dispensa a ideia de superioridade

Apesar de ser hierarquicamente superior, um gestor democrática não se comporta com ar de superioridade ou mesmo de prepotência. Na real, esse tipo de líder faz questão de ser acessível a todos os membros de todas as hierarquias. Dessa forma, ele participa do ambiente corporativo de forma ativa e amistosa.

 

Cultiva o feedback

A comunicação clara e eficaz é essencial para o desenvolvimento da liderança democrática. Dessa forma, o gestor tem que estar preparado para dar feedbacks que sejam construtivos e impulsionem o crescimento dos liderados. Além disso, esse perfil de líder aceita receber feedbacks de seus liderados sem constrangimentos.

 

Encoraja a participação

Ao contrário da liderança autocrática, conhecida por centralizar todas as decisões, o gestor democrático delega funções e busca envolver os profissionais em todos os processos. Por consequência, essa horizontalização propicia ideias e inovações, além de atrair a atenção de talentos que não concordam com lideranças mais conservadoras.

 

Preocupação com o bem-estar de todos

Trabalhar sob pressão extrema é coisa do passado. Afinal, times que trabalham em regimes de tensão têm baixos índices de satisfação, altos índices de rotatividade e produtividade comprometida. Além disso, essa situação pode incentivar que o funcionário desenvolva doenças por conta do estresse. Bastante atento a esse tipo de problema, o gestor democrático procura deixar o ambiente corporativo leve, seguro e propenso a climas descontraídos e de serenidade.

 

Vantagens e desvantagens da liderança democrática

Se você chegou até aqui, certamente percebeu que há uma série de benefícios em torno da liderança democrática. Apesar dos pesares, no entanto, o papel exercido pelo líder democrático também tem seus reflexos negativos. Diante de nossa imparcialidade, temos o dever de te apresentar os prós e contras desse tipo de gestão.

Para começar, vamos falar das desvantagens da liderança democrática:

  • lentidão nas tomadas de decisões, pois há muitas opiniões nas tomadas de decisões;
  • funciona melhor com equipes mais experientes, uma vez que a inexperiência pode fazer o colaborador se vislumbrar com o populismo do team leader;
  • demandas podem ficar à deriva, por falta de quem assuma a direção do projeto;
  • nem sempre a melhor ideia é a escolhida, pois todos os colaboradores têm muita voz ativa.

Agora, vamos avaliar o lado positivo da gestão democrática:

  • interação real entre líder e equipe, sobretudo por causa da relação realmente amistosa estabelecida entre as partes;
  • valorização dos esforços do time, justamente pela facilidade do líder em motivar e dar feedbacks;
  • equipe se sente mais responsáveis pelos projetos, pois ninguém que decepcionar a liderança que tanto valoriza a equipe;
  • times mais comprometidos com seus trabalhos, uma vez que o líder consegue engajar os colaboradores com as cores da empresa.

Agora que já temos os dois elementos da balança, e as principais características conceituais sobre esse modelo de gestão, chegou a hora de avaliar se a sua implementação vale a pena.

 

Conclusões sobre a liderança democrática

Para ser sucesso, a liderança democrática precisa ser planejada e pedagogicamente explicada para todos os envolvidos. Em outras palavras, é preciso que a comunicação seja muito bem conduzida, pois, líder, liderados e organização precisam estar na mesma página.

Primeiramente, precisamos entender que o populismo do líder pode ser facilmente confundido com amizade e acabar comprometendo a dedicação. Afinal, “amigos” podem vir a nutrir uma mútua dificuldade de fazer críticas de forma menos passional e mais racional. Consequentemente, as reuniões de feedback podem acabar virando “papo de compadres” e ofuscar os levantamentos dos pontos negativos que surgem em quaisquer processos de trabalho.

Em contrapartida, desde que muito bem conduzida, a gestão democrática tende a elevar o nível da produção. Profissionais confiantes, engajados e acolhidos, inevitavelmente trabalham com mais afinco e trazem os melhores resultados. Logo, o clima mais relax passa a ser um destaques da empresa no meio corporativo e, por consequência, atrai a atenção dos talentos do mercado.

 

Mais conteúdos sobre liderança

2 Comentários
  1. Roberto Dias dia 28/10/2021 às 18:38 - Responder

    Tudo bem, Muito bom seu texto e me ajudou muito. Até outro dia!

    • admin dia 29/10/2021 às 10:10 - Responder

      Ei Roberto! Muito obrigada por enaltecer que nosso material do Controle de Ponto Genyo ajudou bastante em sua gestão!

Qual sua opinião sobre o assunto?

Seu email não será publicado ;)